Metais sobem apoiados por avanço do euro na madrugada

No início da manhã, no entanto, a moeda europeia perdeu força em razão de preocupações com os testes de estresse

Danielle Chaves, Agência Estado,

20 de julho de 2010 | 08h45

A maior parte dos metais básicos registra alta, mantendo os ganhos obtidos durante o pregão asiático na esteira, principalmente, do avanço do euro. No entanto, no início da manhã o euro perdeu força em razão de preocupações com os resultados dos testes de estresse dos bancos europeus, que serão divulgados na sexta-feira, o que pesou sobre os metais.

Por volta de 7h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,95%, para US$ 6.571,50 por tonelada, enquanto o zinco avançava 1,8%, para US$ 1.841 por tonelada. Em Nova York, o cobre para setembro negociado na Comex tinha alta de 0,90%, para US$ 2,9645 por libra-peso, às 7h15 (de Brasília).

Operadores disseram que o início das férias de verão (no hemisfério norte) reduziu o interesse nos negócios no mercado de metais, cujos preços estão seguindo os movimentos do euro e das ações. Segundo um operador de Londres, o volume de negociação está muito baixo. "O que vemos hoje é baseado na força do euro", afirmou.

Os estoques de cobre diminuíram 3.250 toneladas nesta terça-feira, para o menor nível desde novembro do ano passado. Já os estoques de alumínio subiram quase 50 mil toneladas, eliminando os declínios das últimas três semanas.

Em um relatório, o Société Générale afirmou que a produção de alumínio da China não caiu, apesar das expectativas de que as tarifas de energia mais altas forçariam algumas fundições a cortar a produção. As novas usinas de alumínio no Noroeste do país estão contrabalançando qualquer redução, segundo o banco.

O SocGen também afirmou que a produção de zinco da China diminuiu por causa do aumento dos custos e dos menores preços do metal. No entanto, o mercado doméstico permaneceu em superávit por causa da superprodução do ano passado. Acredita-se que os governos regionais chineses compraram o metal para dar apoio aos produtores.

Entre outros metais negociados na LME, o níquel subia 0,53%, para US$ 18.899 por tonelada; o alumínio caía 0,18%, para US$ 1.968,50 por tonelada; o chumbo avançava 1%, para US$ 1.792,75 por tonelada; e o estanho tinha alta de 0,17%, para US$ 17.975 por tonelada. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.