Metais sobem com melhora da confiança dos investidores

Euro se recupera ante dólar, ajudado pela negação da China de que esteja reavaliando suas posições em dívidas da zona do euro

Danielle Chaves, da Agência Estado,

27 de maio de 2010 | 08h41

Os metais básicos operam em alta pelo segundo dia consecutivo, acompanhando a recuperação do euro e dos mercados de ações. Dados econômicos sólidos e a falta de qualquer notícia negativa sobre a zona do euro estão abrindo caminho para um retorno da confiança dos investidores no curto prazo, segundo analistas.

 

O cobre negociado na London Metal Exchange (LME) atingiu a máxima dos últimos três dias de US$ 6.922 por tonelada e, pouco antes das 8h (de Brasília), subia 2%, para US$ 6.915 por tonelada. O chumbo avançava 3,8%, para US$ 1.820 por tonelada, seguido pelo ganho de 2,8% do níquel, para US$ 21.700 por tonelada.

 

O euro se recupera diante do dólar depois de cair para a mínima em quatro anos durante o pregão asiático, ajudado pela negação da China de que esteja reavaliando suas posições em dívidas da zona do euro. As bolsas, enquanto isso, recebem suporte do otimismo com as perspectivas de crescimento econômico. No Japão, dados sobre comércio mostraram que as exportações subiram 40,4% em abril ante abril de 2009, indicando que a economia japonesa está sustentando seu crescimento desde o início do ano.

 

"Há bons dados macroeconômicos sendo divulgados em vários países, mas, ao mesmo tempo, ainda há muitas preocupações sobre como as coisas vão se desenrolar (na zona do euro)", comentou Michael Widmer, analista do Bank of America Merrill Lynch, em Londres.

 

Entre os outros metais negociados na LME, o alumínio subia 0,4%, para US$ 2.023 por tonelada; o zinco avançava 1,8%, para US$ 1.924 por tonelada; e o estanho ganhava 0,4%, para US$ 17.650 por tonelada. Em Nova York, o cobre para julho negociado na Comex tinha alta de 1,79%, às 8h19 (de Brasília), para US$ 3,1355 por libra-peso. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobrelmeeuro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.