Metais sobem com queda do dólar

Cobre se aproxima da máxima em cinco meses

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

20 de setembro de 2010 | 08h54

Os contratos futuros dos metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) são comercializados em alta, à medida que o enfraquecimento do dólar dá suporte aos investimentos nos mercados de commodities.

 

O cobre opera próximo da máxima em cinco meses. Às 8h07 (de Brasília), o contrato do metal para três meses subia 0,7%, para US$ 7.774 por tonelada.

 

Os metais preciosos também estão sendo beneficiados pela queda da moeda norte-americana. O contrato do ouro spot registrava alta de 0,55%, para US$ 1.281,30 por onça-troy, às 9h00 (de Brasília).

 

Os participantes do mercado disseram que a especulação sobre um novo afrouxamento quantitativo nos Estados Unidos está pressionando o dólar e deverá impulsionar os metais. A demanda das economias desenvolvidas deverá aumentar, se uma nova rodada de afrouxamento quantitativo conseguir elevar a inflação e, posteriormente, incentivar o consumo.

 

Segundo analistas, o comunicado do Comitê de Mercado Aberto do Federal Reserve, cuja divulgação está prevista para esta terça-feira, será examinado com atenção na busca por sinais sobre possíveis mudanças na política de taxa de juros e no balanço, especialmente depois que uma nota de pesquisa do Goldman Sachs sugerir na semana passada que o banco central norte-americano poderá iniciar uma nova rodada de flexibilização quantitativa, já em novembro.

 

Entre os outros metais negociados na LME, o contrato do alumínio avançava 1,5%, para US$ 2.212,50 por tonelada, às 8h07 (de Brasília); o contrato do chumbo registrava alta de 0,8%, para US$ 2.220 por tonelada; o do zinco ganhava 2%, para US$ 2.193 por tonelada; o do níquel aumentava 0,9%, para US$ 23.400, enquanto o do estanho apresentava estabilidade, em US$ 23.600 por tonelada.

 

Analistas do Morgan Stanley afirmaram que os comentários do Banco Central da China na semana passada, de que sua política monetária permanecerá favorável, também forneceu suporte para os mercados dos metais, que têm estado preocupados sobre a possibilidade de o governo chinês anunciar mais medidas de aperto para conter o setor imobiliário do país.

 

Os estoques dos metais na LME continuaram a registrar reduções. De acordo com um relatório diário, os estoques do cobre recuaram 1.700 toneladas, para 382.500 toneladas, enquanto os estoques do alumínio diminuíram 5.050 toneladas, para 4,388 milhões de toneladas.

 

Às 9h (de Brasília), o cobre para dezembro negociado na Comex, em Nova York, subia 0,16%, para US$ 3,5275 por libra-peso. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaiscobreChinaLME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.