Metais sobem com recuperação do euro

Cobre registra níveis recordes de alta e o níquel atinge máxima em 8 meses, enquanto a moeda europeia ganha força em relação ao dólar

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

18 de janeiro de 2011 | 10h37

Os contratos futuros dos metais básicos negociados na London Metal Exchange (LME) têm alta, com o cobre registrando níveis recordes e o níquel na máxima em 8 meses, enquanto o euro ganha força em relação ao dólar.

 

Os preços dos metais estão subindo em linha com os aumentos em todo o complexo de commodities, com os metais preciosos, o petróleo e as commodities leves também avançando.

Às 9h55 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses subia 1,1%, para US$ 9.732,25 a tonelada. O metal está somente US$ 21,75 abaixo da máxima histórica de US$ 9.754 a tonelada, registrada em 4 de janeiro.

A recuperação das bolsas está ajudando a impulsionar o sentimento, afirmaram analistas. Os índices acionários europeus estão subindo nesta terça-feira na sequência de uma sessão positiva na Ásia, e também recebem suporte do fortalecimento dos setores automotivo e de matérias-primas.

O declínio dos estoques de estanho, cobre e níquel também foi positivo para os metais, que têm observado sólidos fluxos para os estoques da LME nas últimas semanas.

De acordo com dados diários, os estoques listados na LME recuaram em 1.075 toneladas, para 377.925 toneladas. Os estoques de estanho diminuíram em 65 toneladas, para 17.355 toneladas, e os de níquel caíram em 414 toneladas, para 137.352 toneladas.

O contrato do níquel para três meses subiu para seu maior nível desde 4 de maio de 2010, registrando mais cedo uma máxima intraday de US$ 26.550 a tonelada, devido à melhora das perspectivas para demanda, segundo participantes da indústria. Às 9h55 (de Brasília), o contrato subia 2,5%, para US$ 26.485 por tonelada.

De acordo com o Grupo Internacional de Estudos do Níquel, a demanda mundial pelo metal subiu 12% em novembro, para 118.200 toneladas.

O chumbo também está registrando um forte desempenho apesar dos fundamentos fracos, sendo negociado próximo das máximas em dois anos e meio.

Os estoques do chumbo na LME, que já estavam no seu patamar mais alto em 15 anos, subiram 29,825 toneladas na segunda-feira, embora um trader tenha dito que o metal estava simplesmente sendo transferido por um novo dono de armazém para suas próprias instalações.

Às 9h55 (de Brasília), o contrato do chumbo avançava 0,7%, para US$ 2.659 a tonelada. O metal atingiu US$ 2.712,75 a tonelada em 6 de janeiro, seu nível mais alto desde maio de 2008. O contrato do alumínio subia 1,4%, para US$ 2.469 a tonelada, o do zinco ganhava 0,2%, para US$ 2.459 a tonelada e o do estanho tinha alta de 0,7%, para US$ 27.100 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.