Metais sobem, impulsionados por queda do dólar e dos estoques

Além disso, alta das bolsas sustenta demanda por ativos de risco

Clarissa Mangueira, da Agência Estado,

17 de setembro de 2010 | 09h08

Os contratos futuros dos metais básicos são negociados em alta na London Metal Exchange (LME), recebendo suporte da queda dólar e da redução sustentada dos estoques. Os ganhos registrados pelos mercados acionários também ajudaram a impulsionar a demanda por ativos considerados mais arriscados, afirmaram os participantes do mercado.

 

Às 8h22 (de Brasília), o contrato do cobre para três meses avançava 1%, para US$ 7.775 por tonelada.

 

"O cobre deverá registrar, provavelmente, uma alta semanal, visto que o declínio do dólar tem ajudado a compensar os dados econômicos negativos divulgados nos Estados Unidos ao longo da semana", destacou o analista John Meyer, da Fairfax.

 

O cobre, que opera na máxima em 20 semanas, também está sendo impulsionado pelos relatos de que os trabalhadores da mina Radomiro Tomic da Codelco, no Chile, rejeitaram uma proposta de reajuste salarial feita pela mineradora. Segundo traders, as notícias provocaram preocupações sobre a segurança da oferta proveniente do Chile, o maior produtor de cobre do mundo.

 

De acordo com um relatório diário, os estoques de cobre na LME recuaram para o menor nível em 10 meses, com 2.950 toneladas sendo retiradas dos armazéns, deixando os estoques do metal com 384.200 toneladas.

 

Os estoques do alumínio recuaram 3.025 toneladas, para 4,393 milhões de toneladas, os do chumbo diminuíram 275 toneladas, para 191.750 toneladas, os do níquel caíram 348 toneladas, para 119.412 toneladas, e os do zinco declinaram 800 toneladas, para 619.125 toneladas.

 

O estanho foi o único metal a registrar um aumento dos estoques na LME. Houve uma entrada líquida de 45 toneladas, o que levou o volume total dos estoques do metal para 13.625 toneladas. O estanho, que opera em alta por nove dias consecutivos, continua a apresentar a melhor performance entre os metais, afirmaram o ABN Amro e o VM Group, em um comunicado mensal.

 

Às 8h22 (de Brasília), contrato do estanho para três meses avançava 0,5%, para US$ 23.615 por tonelada, e acumulava ganho de 11,9% desde o início de setembro.

 

Entre os metais negociados na LME, o contrato do alumínio para três meses subia 1,6% no horário citado acima, para US$ 2.199,75 por tonelada, o do chumbo avançava 1,7%, para US$ 2.239 por tonelada, o do zinco tinha elevação de 2%, para US$ 2.191 por tonelada, enquanto o do níquel aumentava 0,8%, para US$ 23.439 por tonelada. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
metaisdólarcobreLME

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.