Metais sobem no mercado internacional

Desempenho de alta reflete a percepção mais positiva dos investidores sobre a recuperação econômica mundial

Danielle Chaves, da Agência Estado,

29 de julho de 2010 | 08h40

Os metais básicos sobem, enquanto o sentimento dos mercados continua melhorando, apoiado na percepção de uma recuperação econômica.

Por volta de 8h (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 1,1%, para US$ 7.251 por tonelada, depois de ter atingido a máxima em 12 semanas de US$ 7.267 por tonelada às 7h (de Brasília). O alumínio avançava 1,7%, para US$ 2.104 por tonelada, e o zinco ganhava 2,1%, para US$ 1.998 por tonelada.

"Definitivamente há mais confiança se espalhando no mercado", afirmou Robin Bhar, analista da Calyon Crédit Agricole. Em uma nota a clientes distribuída ontem, o Commerzbank afirmou que o aumento na demanda por ativos de maior risco - estimulada por comentários positivos do banco central da China sobre perspectivas econômicas feitos esta semana - continua sendo o fator chave no suporte para os preços.

Participantes do mercado disseram que os resultados dos testes de estresse dos bancos europeus também ajudaram a eliminar parte das incertezas que vinham pairando sobre a zona do euro, o que permitiu aos operadores serem mais confiantes sobre a tomada de posições longas.

Os volumes negociados, porém, estão baixos, enquanto os investidores esperam a divulgação da revisão do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA no segundo trimestre deste ano. Também está no radar do mercado de metais o balanço trimestral da Vale, que será anunciado hoje, e da Anglo American, previsto para amanhã.

Entre os outros metais negociados na LME, o níquel subia 1,2%, para US$ 20.640 por tonelada; o chumbo avançava 0,8%, para US$ 2.035 por tonelada; e o estanho ganhava 0,5%, para US$ 19.600 por tonelada. Em Nova York, o cobre para setembro negociado na Comex tinha alta de 1,00%, para US$ 3,2780 por libra-peso, às 8h30 (de Brasília). As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.