Metais sugerem correção em Londres e sobem na Comex

Analista ressalta que os preços praticados no mercado londrino parecem irreais diante das preocupações com a recuperação econômica nos EUA e na Europa

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

27 de julho de 2010 | 08h49

Os metais básicos operam em direções divergentes na London Metal Exchange (LME), com analistas prevendo uma correção de baixa nos preços no complexo. Os metais operaram em alta nas sessões recentes, sustentados por sólidos fundamentos e ontem pelo dado de vendas de residências novas nos EUA.

Mas nesta manhã, o contrato do cobre para três meses, que fechou em alta em seis pregões seguidos, caía 0,5% próximo às 7h28 (de Brasília) na LME, valendo US$ 7.112,00 a tonelada. Na Comex eletrônica, o cobre para setembro subia 0,05% para US$ 3,2245 por libra peso às 8h41 (de Brasília).

Um especialista observou os preços praticados em Londres parecem irreais diante das preocupações atuais com a recuperação econômica nos Estados Unidos e na Europa, além de outras regiões.

Em nota a clientes, os analistas do Barclays Capital disseram que provavelmente haverá uma correção de baixa no curto prazo, uma vez que os preços têm resistido a mais do que seis fechamentos consecutivos em alta. "Mas de modo geral permanecemos positivos", acrescentaram.

O analista do BaseMetals.com, Will Adams, disse que com a melhora recente em termos técnicos e no cenário macroeconômico, a possibilidade de mais ganhos está aumentando. Ele acredita que o cobre pode testar o nível de US$ 7.500,00 a tonelada, se o metal formar uma base acima de US$ 7.200,00 a tonelada.

O chumbo superou US$ 2.000,00 a tonelada ontem pela primeira vez em dois meses e meio, enquanto o estanho atingiu nova máxima em 22 meses, chegando a US$ 19.800,00 a tonelada. Traders afirmaram não haver motivo aparente para o ganho, atribuindo-o a preocupações com a oferta, queda nos estoques e baixa negociação.

No mesmo horário acima, na LME, o estanho subia 0,5% para US$ 19,500,00 a tonelada, o estanho caía 0,5% para US$ 2.004,00 a tonelada e o alumínio operava em alta de 0,3% para US$ 2.062,00 a tonelada. O zinco registrava queda de 0,5% para US$ 1.943,00 a tonelada e o níquel subia 0,1% para US$ 20.827,00 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.