Metais têm sinais divergentes

Voto de confiança no governo grego não convenceu os participantes dos mercados de commodities metálicas e de moedas de que a ameaça de contágio por uma crise de dívida na Grécia está eliminada

Cynthia Decloedt, da Agência Estado,

22 de junho de 2011 | 10h53

Os metais básicos têm direções divergentes na London Metal Exchange (LME), com investidores em busca de orientação, uma vez que o voto de confiança no governo grego não convenceu os participantes dos mercados de metais e moedas de que a ameaça de contágio por uma crise de dívida na Grécia está eliminada.

Às 9h27 (de Brasília), o contrato para três meses do cobre negociado na LME caía 0,4% para US$ 9.039,75 a tonelada métrica. Na Comex eletrônica, o cobre para julho caía 0,28% para US$ 4,0770 por libra peso às 10h07 (de Brasília).

"Todos aguardam para ver o que acontecerá com o euro e com a Grécia", disse um trader em Londres. Enquanto a situação permanecer indefinida, "poucos investidores devem tomar posições", acrescentou.

Embora os próximos passos para a solução do impasse na Grécia lideram as atenções, hoje, particularmente, se dividem com a entrevista que o presidente do Fed, Ben Bernanke, concederá à tarde, após o encontro de política monetária. Bernanke pode dar indicações sobre os próximos passos da política monetária norte-americana e sobre o programa de flexibilização quantitativa que espira no final deste mês. 

Operadores citaram ainda os números sobre comércio de cobre da China acentuaram a cautela do mercado. Segundo as autoridades de alfândega chinesa, as importações de cobre caíram 47% em maio, em base anual, uma vez os estoques acumulados conseguiram atender parte maior da demanda. Após os números, o Grupo de Estudos do Cobre disse que o mercado de cobre registrou um superávit de 18 mil toneladas em março.

Adicionalmente, dados do World Bureau of Metal Statistics mostraram superávit em todos os seis metais básicos nos quatro primeiros meses de 2011. (ver matéria das 9h56)

Entre outros metais, o alumínio operava estável às 9h27 (de Brasília) na LME, o zinco subia 0,4% para US$ 2.220,00 a tonelada, o níquel avançava 0,2% para US$ 21.934,00 a tonelada, o chumbo subia 0,4% para US$ 2.471,00 a tonelada e o estanho caía 0,6% para US$ 25.300,00 a tonelada. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.