Metalúrgicos da Multibrás rejeitam nova proposta

Continua indefinida a situação dos metalúrgicos demitidos da Whirlpool (dona da Multibrás no Brasil). Hoje a Multibrás apresentou uma nova proposta de indenização ao Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo para os funcionários demitidos, mas não houve acordo. Para o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Eleno Bezerra, as negociações avançam na oferta para os transferidos, mas não para os que serão demitidos. "Vamos continuar negociando, buscando o que for melhor para os trabalhadores. Até lá, nós manteremos a ocupação da fábrica", disse Eleno.A empresa ofereceu hoje, além das verbas rescisórias, meio salário a mais por ano trabalhado, até o teto de cinco salários, quatro meses de convênio médico e de cesta básica e 100 horas de curso de qualificação. A empresa também informou que irá contratar uma empresa de recolocação para os trabalhadores demitidos. A proposta foi recusada pela assembléia do Sindicato que ocorreu hoje à tarde. O Sindicato reivindica um salário por ano trabalhado, sem teto, um ano de cesta básica e de convênio médico e 200 horas de cursos de requalificação.Para os 150 funcionários que serão transferidos, a Multibrás garantiu doze meses de emprego, outros doze meses de auxílio para o aluguel no valor de até 25% do salário, pagamento das despesas com a mudança e a manutenção dos salários dos funcionários. E garantiu ainda que, se dentro de seis meses o trabalhador não se adaptar, a empresa irá pagar os mesmos benefícios oferecidos aos demitidos.A empresa anunciou na última segunda-feira a desativação de produção da fábrica em São Paulo, que acarretou a demissão de 450 funcionários e a transferência de outros 150 para a unidade de Rio Claro, interior paulista. Desde então, estabeleceu-se o início das negociações. De acordo com o presidente do Sindicato, a empresa alegou dois motivos para o fechamento dos postos de trabalho na capital paulista: o acordo do Brasil com a Argentina, que determina um teto de exportações ("reduzindo as exportações em 30%"), e o câmbio apreciado do real em relação ao dólar.A americana Whirlpool é fabricante de eletrodomésticos das marcas Brastemp e Consul. Só na unidade paulista eram fabricados 60 mil fogões da marca Brastemp por mês. Já na fábrica de Rio Claro são produzidos fogões Consul e lavadoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.