Metalúrgicos fazem protesto hoje na Multibrás

O Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo anunciou que fará hoje um protesto em frente ao escritório central da Multibrás, localizado na Avenida das Nações Unidas, zona sul da capital paulista. O motivo é a transferência da produção de fogões da fábrica da Whirlpool (dona da Multibrás no Brasil) do Jardim Santa Emília, também na zona sul, para a cidade de Rio Claro, no interior de São Paulo.O deslocamento, anunciado aos trabalhadores na manhã de ontem, acarretará a demissão de 450 funcionários e a transferência de outros 150 para o novo local. O protesto está marcado para às 15 horas e são esperadas mais de 500 trabalhadores. Com isso, almejam que a empresa reavalie o pacote de indenizações e benefícios propostos.A Whirlpool ofereceu como indenização meio salário por ano trabalhado, com teto de R$ 5 mil, além de outras indenizações previstas por lei. Os metalúrgicos querem, durante doze meses, um salário por ano trabalhado, sem teto, cesta básica, assistência médica e 200 horas de curso para recolocação profissional. Aos transferidos, o sindicato negocia, ainda, garantia de estabilidade e pagamento de aluguel também durante um ano.Os funcionários optaram pela ocupação da fábrica após assembléia realizada ontem. De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Mogi das Cruzes e Região, Eleno Bezerra, a ocupação é uma forma de pressão para que se efetue uma melhor negociação entre a Multibrás e os trabalhadores. "Ocupamos a empresa e só sairemos quando houver um entendimento", afirmou Eleno.De acordo com o presidente do sindicato, a empresa alegou dois motivos para o fechamento dos postos de trabalho na capital paulista: o acordo do Brasil com a Argentina, que determina um teto de exportações ("reduzindo as exportações em 30%"), e o câmbio apreciado do real frente ao dólar.A americana Whirlpool é fabricante de eletrodomésticos das marcas Brastemp e Consul. Só na unidade paulista eram fabricados 60 mil fogões Brastemp por mês. Já na fábrica de Rio Claro são produzidos fogões Consul e lavadoras.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.