Metalúrgicos mantêm rejeição ao plano de reestruturação da Volkswagen

Após duas assembléias na fábrica da Volkswagen de São Bernardo do Campo (ABC paulista) nesta tarde, os trabalhadores concordaram que o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC rejeite a assinatura do acordo com as premissas contidas no plano de reestruturação da Volkswagen. Em nota, o sindicato informa que esta decisão havia sido tomada em outra assembléia e foi endossada novamente.A Volkswagen procura iniciar uma série de mudanças para cortar custos, com a possibilidade de demitir entre 4 mil e 6 mil pessoas até 2008. Os trabalhadores do ABC aprovaram também paralisações e passeatas contra demissões nas fábricas da montadora em Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR), que podem começar imediatamente. Por força de um acordo de estabilidade de emprego em vigor, fechado em 2001, os metalúrgicos do ABC só podem ser demitidos a partir de novembro deste ano.Representantes sindicais e da empresa reuniram-se por seis vezes para discutir o plano. O último encontro foi ontem, domingo, e terminou sem acordo. O sindicato informa que propôs a abertura de um novo plano de demissão voluntária (PDV) até o final do ano, mas a empresa descartou a medida.A matriz da Volks na Alemanha recomendou o fechamento de uma fábrica no Brasil, mas a direção da subsidiária nacional está lutando para diminuir gastos para não fechar uma unidade em 2007.A proposta da Volks, apresentada aos sindicatos, inclui uma nova tabela salarial com valores 35% menores para contratações futuras. A empresa quer atrelar a reposição da inflação aos salários aos resultados obtidos. Ou seja, neste ano não está prevista a reposição integral se os resultados não forem atendidos. Estão previstas também alterações na participação dos resultados, na jornada de trabalho e no banco de horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.