Microsoft demitirá 18 mil no prazo de um ano

Iniciativa resultará em despesas de reestruturação de US$ 1,1 bilhão a US$ 1,6 bilhão ao longo dos próximos quatro anos

Agência Estado

17 de julho de 2014 | 11h57

A Microsoft informou nesta quinta-feira que planeja cortar até 18 mil empregos, o equivalente a 14% da sua força de trabalho, ao longo do próximo ano, como parte de um plano para enxugar operações da companhia após a aquisição recente da operação de telefonia móvel da Nokia.

O corte programado é o maior dos 39 anos de existência da companhia e bem maior do que Wall Street previa. Em 2009, durante a recessão, a empresa já havia eliminado 5 mil postos.

Segundo a Microsoft, 12,5 mil vagas serão eliminadas por meio de sinergias com as operações da Nokia. A empresa informou ainda que a iniciativa resultará em despesas de reestruturação de US$ 1,1 bilhão a US$ 1,6 bilhão ao longo dos próximos quatro anos.

O executivo-chefe da Microsoft, Satya Nadella, que assumiu o cargo após a saída de Steve Ballmer há cinco meses, vinha tentando enxugar os negócios da companhia para focar mais no desenvolvimento de tecnologias para pessoas e empresas.

As operações da Nokia, adquiridas em abril, são um alvo provável para os cortes. A aquisição elevou o total de funcionários da Microsoft para mais de 127 mil, de 99 mil.

O analista Daniel Ives, da FBR Capital Markets, estimou que a quantidade de vagas cortadas representa o dobro do que vários analistas em Wall Street projetavam. "Sob a era Ballmer havia muitas camadas de gestão e uma infinidade de iniciativas caras sendo financiadas que prejudicaram a posição estratégica e financeira da empresa, especialmente considerando a avaliação da aquisição da Nokia", afirmou Ives, em nota.

Nadella assinalou que a empresa irá oferecer indenização e auxílio para transição de carreira aos empregados afetados, acrescentando que irá compartilhar mais detalhes sobre as mudanças previstas para os resultados da companhia na teleconferência de resultados trimestrais. "Nossas reduções da força de trabalho foram provocadas principalmente por dois pontos: a simplificação do trabalho e as sinergias de integração e alinhamento estratégico com a Nokia Devices and Services", disse Nadella em e-mail enviado aos funcionários na quinta-feira de manhã. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMicrosoftdemissão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.