Minoritários adquirem controle da Vale do Rosário

O grupo de acionistas, até então minoritários, liderado por Cícero Junqueira Franco e por Luiz Biagi, adquiriu o controle da Companhia Açucareira Vale do Rosário, exercendo o direito de preferência em relação à oferta feita pela Cosan aos acionistas que detinham 50,2% da companhia. "Agora, 100% das ações estão nas mãos dos 49,8% de acionistas", disse Franco. "A partir de amanhã será feita uma negociação, um a um, para sabermos quem vai sair e quem vai ficar. A partir daí, formaremos o novo quadro acionário", complementou.Eventuais vagas no novo quadro serão preenchidas por outros interessados na companhia. "Nossa prioridade são os acionistas que vão ficar. Depois, vamos integrar 'entrantes' estratégicos", afirmou Franco. Para a semana que vem, já deverá haver a definição sobre os "ficantes" e os "saintes". Ao longo do mês de março, começam a ser incorporados os "entrantes". A operação de aquisição da Vale do Rosário foi montada pelos bancos ING e Rabobank S/A, com a assessoria jurídica dos escritórios Wald Associados Advogados e Pinheiro Neto Advogados, de São Paulo. O Bradesco deu o aporte financeiro de R$ 1,35 bilhão, em forma de financiamento, para o exercício do direito de preferência. O projeto de fusão com a Companhia Energética Santa Elisa e a possibilidade de abertura de capital da Vale do Rosário continuam em andamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.