Moody's coloca rating da Oi sob revisão

A agência de classificação de riscos Moody''s colocou o rating global Baa3 da Oi sob revisão para possível rebaixamento. A avaliação ocorreu depois que a Oi divulgou uma potencial perda potencial de até 900 milhões de euros em investimentos em notas promissórias feitos pela Portugal Telecom, que foram integraram parte do aumento de capital da Oi em maio de 2014.

MATEUS FAGUNDES, Agência Estado

17 de julho de 2014 | 23h13

Segundo a agência de classificação de riscos, a perda vai reduzir a liquidez da companhia e poderia atrasar substancialmente o progresso da Oi na redução de sua alavancagem. "Esta perda irá anular uma grande parte do benefício para o perfil de crédito da Oi alcançado por meio dos R$ 8 bilhões em capital levantado", disse o analista da Moody''s Mark Stodden.

"Como uma solução para o investimento mal planejado pela Portugal Telecom, a Oi negociou efetivamente uma recompra de ações para recuperar o valor dos recursos perdidos. Esta solução claramente beneficia os detentores de ações à custa dos detentores de títulos de dívida", afirmou o analista.

A perda total do investimento em commercial papers seria o equivalente a aproximadamente um terço do dinheiro arrecadado pela Oi em seu recente aumento de capital de R$ 8 bilhões. Para compensar os detentores de ações da Oi pela perda, a Portugal Telecom irá reduzir sua participação no capital da entidade resultante da fusão da PT e da Oi por um valor aproximadamente igual à perda.

"Para manter o rating Baa3, a Oi precisa melhorar o EBITDA e/ou reduzir o endividamento de forma que a alavancagem esteja em uma trajetória de queda em direção a 3,5x (ajustado pela Moody''s), enquanto caminha na transição para um fluxo de caixa livre positivo de forma sustentável", diz o comunicado da Moody''s.

Os analistas da agência afirmam também que provavelmente irão concluir a revisão dos ratings da Oi quando os resultados combinados da empresa em 2014 estiverem mais evidentes.

Tudo o que sabemos sobre:
Oiratingrebaixamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.