Mudança no volume mínimo na BM&F visaria impedir distorções

A Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) alterou nesta segunda-feira (dia 20) o volume mínimo de recursos exigido para as transações com dólar à vista no pregão. Com a mudança, a quantia mínima passou de US$ 50 mil para US$ 1 milhão. Segundo fontes ouvidas pela Agência Estado, a alteração foi pedida por grandes bancos para evitar distorções de preços. Mas a medida pode inviabilizar os negócios para as pequenas corretoras. Desde que as transações começaram a ser feitas na BM&F, em 1º de fevereiro, essas grandes instituições teriam percebido a ação de uma corretora que, usando os valores mínimos de negociação anteriores, procuraria atrapalhar o funcionamento do mercado, distorcendo cotações. Operadores de mercado afirmam que um grande banco estrangeiro chegou a ameaçar abandonar sua participação nas transações feitas na BM&F, caso não fosse tomada alguma medida. Os profissionais de mercado acreditam que a alteração deve dificultar eventuais distorções daqui para a frente. Paralelamente, no entanto, avaliam que ela pode impedir a atuação de instituições menores que, cada vez mais, ficariam fora do mercado de câmbio ou teriam seus negócios limitados às transações feitas pelo telefone e conhecidas como mercado de balcão. Como é fixado o preço do dólar? Até a criação de um local de transações de dólar no mercado à vista da BM&F, a taxa de câmbio era determinada exclusivamente nas mesas de operações de bancos autorizados a negociar moeda estrangeira pelo Banco Central. Com base nas informações do próprio banco sobre o volume de operações fechadas de exportação e importação e do acompanhamento do mercado internacional, cada instituição consulta, por telefone, o preço da moeda com colegas de outras instituições e forma a sua cotação de compra e venda. Assim que qualquer operação é fechada, ela é registrada no sistema de informações do Banco Central, conhecido como Sisbacen. A transação tem liquidação financeira em dois dias úteis, tempo necessário para a troca de posições entre dólares e reais, mas é considerada uma compra à vista, também chamada de dólar pronto ou de dólar spot. Na BM&F, as negociações também são à vista. Para os negócios, os operações se reúnem em roda e apregoam as ofertas de compra e de venda. Na BM&F, há diversas rodas de negociação. Avaliação O novo sistema de negociação de dólar pronto está sendo avaliado como um sucesso pelos participantes do mercado de câmbio. Desde que foi criada, a roda de pronto tem registrado volume negociado diário entre cerca de US$ 200 e US$ 400 milhões. Segundo operadores, todas as grandes instituições financeiras atuantes no câmbio vêm fazendo negócios diários na roda de pronto da BM&F por meio de corretoras. Atualmente, cerca de 15 corretoras estariam se destacando no pregão, com os grandes bancos por trás, optando por fazer rodízio entre elas para fechar suas transações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.