Na Bovespa, continua a venda de commodities

As ações ligadas a commodities caem em bloco hoje na Bovespa, num pregão considerado "fora de curso" por um operador. O dia tem algumas travas, pois se segue a um feriado no Brasil no qual as bolsas em Nova York caíram. Ao mesmo tempo, hoje essas praças se recuperam, deixando o Ibovespa, principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, em leve queda. Às 12h06, o índice recuava 0,17%, para 36.648 pontos. A venda das commodities, que tem sido a tônica do mercado já há algumas semanas, continua. Se desfazem desses papéis tanto os investidores locais quanto os estrangeiros, segundo os profissionais. Às 11h57, a lista de principais quedas do Ibovespa contava com CSN, Petróleo Ipiranga, Aracruz, Usiminas, Petrobras PN e Gerdau Metalúrgica. Copel e Celesc completam o ranking. Os preços dos metais continuam elevados, mas relatório do FMI na quarta-feira alertava para a queda nas cotações. Petrobras continua perdendo com a baixa do petróleo, que era de 0,62% por volta do horário citado, para US$ 66,90. Do outro lado, algumas altas fortes e com bom volume para o dia ajudam a não deixar o Ibovespa cair mais: Telemig Celular e Confab são os destaques. As ações da Telemig sobem com decisão de quarta-feira do Superior Tribunal de Justiça (STJ), cuja Corte Especial considerou válidas as assembléias da Telpart em que o Opportunity foi destituído do conselho de administração da empresa, que está na cadeia de controle da Telemig Celular e da Amazônia Celular. Com isso, o UBS elevou a recomendação para as ações. Confab sobe após notícia de que a Petrobras aprovou, na quarta-feira passada, a compra de tubos para o último e maior trecho do Gasene (Gasoduto Sudeste-Nordeste), no valor de US$ 477 milhões. O vencedor da licitação foi a Confab. As obras estão previstas para começar em dezembro, mas ainda falta a liberação da licença ambiental para este trecho.

Agencia Estado,

08 de setembro de 2006 | 12h08

Tudo o que sabemos sobre:
finanças

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.