Na Europa, Bolsas fecham em alta após acordo anticrise

Plano da União Europeia que prevê a redução da dívida soberana da Grécia e o o fortalecimento do setor financeiro foi bem recebido por investidores

Gabriel Bueno, da Agência Estado,

27 de outubro de 2011 | 15h14

As Bolsas europeias tiveram altas expressivas nesta quinta-feira, com as ações do setor bancário conseguindo grandes ganhos, enquanto investidores recebiam bem o plano abrangente que prevê a redução da dívida soberana da Grécia, o fortalecimento do setor financeiro e medidas para evitar o contágio em caso de problemas.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 3,58%, para fechar em 249,42 pontos. Esse índice ganhou 10,3% até agora este mês. Entre os índices nacionais, o CAC-40 teve alta de 6,28% na Bolsa de Paris, para 3.368,62 pontos, e o DAX 30, da Bolsa de Frankfurt, ganhou 5,35%, fechando em 6.337,84 pontos.

As ações de bancos, que haviam sofrido recentemente com a escalada das preocupações com a dívida, registraram ganhos de dois dígitos em porcentagem. Em Paris, Crédit Agricole disparou 22%, Société Générale avançou quase 23% e BNP Paribas subiu quase 17%.

Em Frankfurt, Deutsche Bank subiu 15,4% e Commerzbank saltou 16,5%. O espanhol Santander e o italiano UniCredit ganharam 7,5% cada um. Nos mercados de moeda, o euro se valorizou diante do dólar, superando US$ 1,42.

Após horas de negociações iniciadas na noite de ontem e encerradas somente no início da quinta-feira, autoridades da zona do euro apresentaram um plano para reduzir a dívida da Grécia em relação a seu Produto Interno Bruto (PIB) para 120% em 2020.

Os investidores privados aceitarão um desconto "voluntário" de 50% nos bônus gregos, enquanto os emprestadores da zona do euro fecharam a alavancagem de um fundo de resgate da zona do euro, aumentando assim o poder de fogo deste para US$ 1,4 trilhão. Também houve um acordo para recapitalizar os bancos europeus.

"Há passos muito positivos na direção correta, que reforçam nossa visão de que os políticos europeus estão dispostos a tomar ações sem precedentes para manter a união monetária europeia unida", afirmou Azad Zangana, economista especializado em Europa da gestora Schroders, em comentários feitos por e-mail.

Ainda que muitos detalhes sobre o plano não tenham sido divulgados, o acordo ajudou a reduzir a volatilidade nos mercados financeiros, notou Zangana. "Nós esperamos que a economia da zona do euro desacelere bastante até o fim do ano, ainda que o acordo fechado possa ter ajudado a evitar um segundo choque de crédito global e uma recessão muito profunda."

Em Atenas, o índice ASE Composite ganhou 4,8%, para 811,11 pontos. As ações do National Bank of Greece subiram 6,1%. No Reino Unido, o índice FTSE 100 fechou em alta de 2,89%, para 5.713,82 pontos, com os bancos liderando os ganhos. As ações do Barclays subiram 17,6% e as do Royal Bank of Scotland saltaram 10%.

Analistas do Goldman Sachs elevaram sua previsão trimestral para o índice Stoxx 600 para 255 pontos, de 220 anteriormente, citando o acordo da zona do euro. Ainda que algumas propostas "permaneçam vagas no presente, se elas forem desenvolvidas em um plano que ofereça um mapa digno de crédito para conter e resolver a crise, há uma tendência de alta significativa para as ações europeias em relação aos patamares atuais", disseram os analistas em nota a clientes.

Algumas ações também foram beneficiadas por balanços positivos divulgados hoje de várias companhias europeias no terceiro trimestre do ano. As ações da Volkswagen subiram 10,5%, após a companhia do setor automotivo informar sobre um salto em seus ganhos no terceiro trimestre. Também em Frankfurt, as ações da companhia química Basf saltaram 7,5% após ela informar sobre lucro e renda no terceiro trimestre acima das expectativas dos analistas.

Em Londres, as ações da Royal Dutch Shell subiram 1,2%, após a companhia também divulgar um bom balanço trimestral. Em Estocolmo, as ações da Ericsson avançaram 6,1%. A companhia de equipamentos de telecomunicação informou que vendeu sua fatia de 50% na Sony Ericsson à japonesa Sony, por 1,05 bilhão de euros (US$ 1,47 bilhão).

As ações da finlandesa Nokia ganharam 6,6%. As ações da Logitech International saltaram 16,1%, após a fabricante de mouses de computadores informar que espera uma melhoria no desempenho na segunda metade do ano fiscal. A companhia também informou que seus resultados no terceiro trimestre estavam em linha com as expectativas do mercado e confirmou suas previsões para o ano. As ações da Logitech caíram mais de 52% nos últimos 12 meses.

Na Espanha, o índice Ibex 35 subiu 4,96%, para 9.270,50 pontos. Já o índice PSI 20, da Bolsa de Lisboa, fechou em alta de 2,61%, para 5.992,54 pontos. Em Milão, o índice FTSE MIB ganhou 5,49%, para 16.954,68 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasEuropaacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.