Natura deve elevar capacidade de produção de sabonete em 80%

A nova fábrica da Natura, localizada em Benevides, região metropolitana de Belém (PA), a ser inaugurada em novembro, deve elevar em 80% a capacidade de produção de sabão base, insumo que representa 95% dos componentes de um sabonete. Atualmente, o volume anual processado pela parceira Bertin é de 10 mil toneladas e, na nova unidade no Pará, serão 18 mil, o equivalente a 180 milhões de barras de sabonetes. A linha denominada 'banho' é uma das mais importantes da Natura.De acordo com o vice-presidente de Inovação, Eduardo Luppi, se o crescimento das vendas de sabonetes se mantivesse nos patamares atuais - acima dos 30% que acompanhia como um todo registra - em três anos aproximadamente esta unidade chegaria ao limite. Porém, a transferência da produção para a nova fábrica tende a ser vagarosa, em cerca de dois anos, na previsão da Natura, pois este é o prazo estimado entre a plantação e a extração do óleo de palma pelos agricultores parceiros.Desta forma, por algum tempo ainda a Natura manterá o contrato com a Bertin. Há um ano e meio, a Natura substituiu o sebo animal como matéria-prima por insumo vegetal, mas continuou usando a estrutura de produção do frigorífico. A Sinter Futura, empresa do interior de São Paulo responsável pela etapa final de produção (adição dos outros componentes ao sabão base), permanecerá.Luppi informou que o objetivo maior do projeto é a sustentabilidade, mais do que as vantagens econômicas, uma vez que o custo da nova estratégia, na conta final, não mudará significativamente em relação ao do processo atual. A margem dos fabricantes, segundo ele, deve ser transferida para os agricultores. O projeto prevê a compra da palma diretamente dos produtores. Serão cerca de 2.500 de 21 municípios do Estado. A Natura já tem acordos nesses moldes com produtores de piprioca, castanha de caju e andiroba.

Agencia Estado,

21 de agosto de 2006 | 13h01

Tudo o que sabemos sobre:
empresas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.