Nikkei fecha em queda com perdas em Wall Street

Índice Nikkei caiu 0,8%, para 13.650,11 pontos, após o recuo de 2,1% na sessão anterior

16 de agosto de 2013 | 04h44

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em queda nesta sexta-feira, uma vez que o enfraquecimento do dólar e das ações em Wall Street na quinta-feira foi o suficiente para pressionar os preços dos papéis em uma sessão de pouco volume de negociações.

O índice Nikkei caiu 0,8%, para 13.650,11 pontos, após o recuo de 2,1% na sessão anterior. Na semana, em meio a temporada anual de férias conhecida como Obon, o índice conquistou um ganho de 0,3%.

Os níveis de participação continuaram baixos, com apenas 1,87 bilhões de ações sob o valor de 1,62 trilhões de ienes.

As ações foram atingidas logo na abertura pela fraqueza em Wall Street. O índice Dow Jones sofreu sua pior queda desde meados de junho na quinta-feira, após a divulgação de dados de empregos dos EUA mais fortes do que o esperado. O resultado do indicador norte-americano reacendeu as expectativas de que o Federal Reserve começará a reduzir em breve seu programa de estímulo.

"Os dados de emprego dos EUA deveriam ter sido vistos de maneira muito mais positiva, uma vez que ilustram um crescimento econômico robusto, o que acabará por levar à normalização da política monetária - o que seria bom para os mercados", disse o conselheiro de mercado Kenichi Hirano, da Tachibana Securities. "O movimento de hoje do Nikkei foi mais uma reação instintiva em uma sessão de baixo volume, e como tal, deve ser limitado em termo de duração."

A negociação liderada por futuros também pressionou o Nikkei, com a Fast Retailing, o SoftBank e a KDDI caindo 0,3%, 1,1% e 1,8%, respectivamente. Vários exportadores também perderam terreno, com a Honda Motor caindo 0,5% e a Shin-Etsu Chemical fechando em queda de 1,3%.

A Canon e a Nikon recuaram 1,4% e 1,2%, respectivamente, depois que o Credit Suisse reduziu seus preços-alvo em 12% e 23%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.