Nikkei fecha em queda com temores em relação aos EUA

Após perder 0,3% na sexta-feira, índice Nikkei voltou a recuar no pregão desta segunda, agora com mais força:  2,1%

30 de setembro de 2013 | 05h01

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em queda nesta segunda-feira, com recuo do dólar em meio a temores de que o governo dos EUA pode enfrentar uma paralisação parcial em meio a disputas políticas sobre as finanças federais.

Além disso, os agentes do mercado também se mostraram nervosos antes da divulgação dos resultados da pesquisa Tankan sobre o sentimento das empresas nesta segunda-feira a noite. O governo do primeiro-ministro Shinzo Abe também deve anunciar nos próximos dias planos para impostos e para o orçamento do Japão.

O índice Nikkei perdeu 304,27 pontos, ou 2,1%, e encerrou o pregão aos 14.455,80 pontos, após a queda de 0,3% na sexta-feira. O resultado desta segunda-feira mostrou a queda porcentual mais acentuada do índice desde 20 de agosto. Por outro lado, o índice teve um ganho de 8,0% no mês, a melhor performance mensal desde abril.

O volume de negócios foi apenas moderado, considerando a queda do dólar. Foram negociadas pouco mais de 2,7 bilhões de ações sob um valor de apenas 1,9 trilhão de ienes.

A possibilidade de uma paralisação do governo dos EUA tem abalado os mercados, disseram traders, acentuando a enfraquecimento do dólar. A moeda norte-americana teve uma forte queda ante seus níveis de sexta-feira, e mudava de mãos em 97,83 ienes por volta do horário de fechamento da Bolsa de Tóquio. O dia 30 de setembro é o último dia para a maioria das empresas calcularem lucros do semestre fiscal e para analisarem os níveis de repatriação de moeda, que são fundamentais para os exportadores.

As ações com forte peso no índice tiveram baixas acentuadas, a Fast Retailing perdeu 2,4% e o SoftBank caiu 1,5%. Entre os exportadores que pesaram sobre o Nikkei, a Kyocera cedeu 2,8% e Honda Motor perdeu 2,7%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.