Nikkei sobe apenas 0,1% após realização de lucros

As ações na Bolsa de Tóquio encerraram o pregão com modestos ganhos em um pregão volátil. Compras impulsionadas pela valorização do dólar aumentaram os temores de que o mercado pode estar superaquecido depois de uma alta de 10% nas últimas duas semanas.

AE, Agencia Estado

22 de novembro de 2013 | 06h45

O índice Nikkei encerrou com ganhos de 0,1%, a 15.381,72 pontos. Na máxima do dia, o índice chegou a marcar ganhos de 1,4%, a 15.579,39 pontos. Na semana, a alta foi de 1,4%, e, no ano, o principal índice da Bolsa de Tóquio sobe quase 48%. "Compras especulativas por operadores de curto prazo nos mercados de derivativo e de câmbio levaram aos ganhos do Nikkei na semana", disse o gestor de fundos no Ichiyoshi Asset Management, Mitsushige Akino.

Um diretor de negociação de ações disse que as confiáveis operações compradas em dólar e em mercado futuro finalmente cederam hoje. "Em apenas duas semanas, o jogo foi jogado em excesso. Eventualmente a realização de lucros deveria entrar em cena", disse.

No entanto, muitos ainda estão otimistas. No mesmo momento do fechamento da Bolsa de Tóquio, o dólar operava a 101,07 ienes, de 100,47 ienes no fim do último pregão. "Com um iene mais barato e perspectiva de bons ganhos em dezembro, uma alta do índice Nikkei para a marca de 16 mil pontos no fim do ano é uma forte possibilidade", disse o estrategista-chefe no kabu.com Securities, Tatsunori Kawai.

Para ele, a provável aprovação de Janet Yellen para o comando do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), a manutenção dos estímulos nos EUA por enquanto e as altas expectativas com o início das vendas de Natal nos EUA mantém o sentimento por tomada de risco.

No noticiário corporativo, as ações da Sharp registraram forte alta de 8,4% após o jornal Nikkei reportar que a empresa está pronta para aumentar a produção de painéis de LCD de tamanho pequeno e médio. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.