Nikkei sobe com alta do dólar e PMI industrial da China

O índice Nikkei, da Bolsa de Tóquio, encerrou o pregão em alta, após uma sessão que teve início em território negativo. As negociações foram marcadas por um iene mais desvalorizado frente ao dólar, pela busca dos investidores por barganhas e por bom dado econômico da China.

AE, Agencia Estado

24 de outubro de 2013 | 05h20

Com isso, o índice Nikkei fechou em alta de 0,4%, aos 14.486,41 pontos. Na véspera, o índice havia registrado perdas de 2,0%, no pior desempenho em três semanas.

O Nikkei marcava perdas até a divulgação de indicadores na China. O HSBC divulgou o índice dos gerentes de compras (PMI) preliminar da indústria chinesa em outubro, com uma alta para 50,9, de 50,2 em setembro. Esse foi o maior nível em sete meses e superou as expectativas do mercado, disse a equipe de análise do Citigroup. "Os dados da China restauraram alguma confiança", disse um diretor de uma corretora estrangeira.

O enfraquecimento do dólar também ajudou os preços das ações. No fechamento da bolsa, a moeda norte-americana era negociada a 97,50 ienes, de 97,39 ienes no fim da tarde de quarta-feira.

O número melhor que o esperado na China ajudou as ações da Komatsu e da Hitachi Construction Machinery a recuperarem parte das perdas no início do pregão, quando eram pressionadas pela forte queda nos papéis da Carterpillar, depois de a empresa reportar um fraco resultado trimestral e cortar projeções para o ano. Ainda assim, as ações fecharam em baixa de 2,1% e 1,4%, respectivamente.

O destaque positivo fica por conta das ações da Hitachi, que dispararam 8,4% após a empresa mais que dobrar sua projeção para o lucro líquido na primeira metade do ano fiscal.

Algumas ações de exportadoras também se beneficiaram do iene mais fraco. As da Fanuc e as da Honda Motors encerraram o dia com ganhos de 0,6%. Entre as maiores empresas do índice, também chamam atenção as ações do SoftBank, em alta de 2,2%. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsafechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.