Níquel tem preço recorde pelo 5º dia seguido

Os contratos futuros de níquel renovaram as máximas recordes pelo quinto dia consecutivo na London Metals Exchange (LME), enquanto os futuros de estanho subiram para seu nível mais elevado em 20 anos, com os operadores esperando que os metais sustentem os preços elevados no curto prazo até que os problemas no lado da oferta sejam resolvidos, segundo informou a Dow Jones e o Financial Times. O preço à vista do níquel rompeu a marca de US$ 40 mil por tonelada métrica pela primeira vez na história, tocando a máxima de US$ 40.600,00 por tonelada, impulsionado pelas preocupações sobre interrupções na oferta de um potencial de greve nas operações de níquel da Xstrata em Sudbury (Canadá), que responde por cerca de 5% da oferta global do metal. "Sudbury tem um histórico de militância sindicalista, portanto, o mercado não ficará surpreso se houver alguma ação de greve", disse o estrategista de metais Robin Bhar, da UBS, ao Financial Times. Os contratos de níquel para três meses atingiram a máxima recorde de US$ 38.200,00 por tonelada na LME, antes de recuarem para US$ 37.750,00 por tonelada no encerramento da rodada livre de negócios (kerb) da tarde, em alta de US$ 455,00. O níquel acumula uma alta de mais de 10% até agora este ano, depois de subir cerca de 150% em 2006. Os preços do níquel vêm sendo sustentados pela forte demanda de seu principal consumidor, o setor de aço inoxidável, e pela queda nos estoques globais para níveis que equivalem a apenas um dia de demanda mundial. Os atrasos no início da operação de duas grandes minas de cobre este ano, da mina Ravesthorpe da BHP Billiton, na Austrália, e a operação Goro da Companhia Vale do Rio Doce na Nova Caledônia (Pacífico), também ajudaram a dar impulso de alta aos preços. Os estoques de níquel na LME aumentaram em 12 toneladas métricas hoje, para 5.064 toneladas, com a taxa de cancelamento de garantias em quase 25% - um indicador do montante de metal disponível para ser negociado. Em outro sinal de aperto no curto prazo, "o backwardation do níquel a vista sobre os contratos de três meses também aumentou nos últimos dias e está agora acima de US$ 2.500,00 por tonelada", observou o Barclays Capital. Backwardation é uma situação de mercado segundo a qual o preço para entrega no curto prazo excede aquele para entregas em momentos subseqüentes. Os contratos de estanho para três meses também atingiram a máxima recorde de US$ 12.249,00 por tonelada, antes de recuarem para US$ 12.140,00 por tonelada no kerb da tarde, em alta de US$ 365,00, impulsionados pelos temores de um possível movimento do governo da Indonésia para apertar o controle sobre as exportações de estanho. O movimento do governo indonésio é uma tentativa de controlar o dano ambiental da produção de estanho de minas ilegais. A Indonésia é a maior produtora de estanho do mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.