Nissan vai discutir possível aliança com a GM

A montadora japonesa Nissan Motor aprovou a abertura de negociações com a norte-americana General Motors (GM) sobre uma possível aliança. Segundo comunicado, o conselho de administração da Nissan se reuniu pela manhã e decidiu que a companhia "deve prosseguir com as discussões exploratórias sobre uma potencial aliança com a GM".As negociações serão condicionadas ao apoio da GM à proposta de sua maior acionista, a Tracinda Corp., de que a montadora integraria a aliança firmada entre a Renault e a Nissan. O anúncio veio após o encontro do conselho da Renault, no qual se esperava que os executivos discutiriam com a Nissan a compra de uma participação significativa na GM. De acordo com relatos da mídia local, a Renault e a Nissan poderiam comprar mais de 20% das ações em circulação da GM. Detalhes do possível plano de investimento vieram à tona depois de Kirk Kerkorian, maior acionista da GM, propor na sexta-feira que a montadora norte-americana integrasse a aliança Nissan-Renault.O ministro das Finanças da França, Thierry Breton, disse em entrevista à rádio Europe-1 que se encontrou diversas vezes durante o fim de semana com o executivo-chefe da Renault e da Nissan, Carlos Ghosn, para conversar sobre o possível acordo. Caso o acordo se concretize, a aliança formada terá capacidade de produção anual superior a 15 milhões de veículos e controle de quase um quarto do market share global, de acordo com a agência de notícias Kyodo News.A GM tem se dedicado a um extensivo plano de recuperação de seus negócios na América do Norte em meio a queda nos lucros, altos custos trabalhistas e maior concorrência das montadoras asiáticas. No ano passado, a montadora anunciou planos de fechar 12 fábricas até 2008 e recentemente informou que 35 mil trabalhadores norte-americanos aceitaram o plano de aposentadoria antecipada ou demissão voluntária oferecido pela empresa.Atualmente a Renault detém participação de 44,4% na Nissan, que por sua vez detém 15% na Renault. As informações soa da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.