Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Nossa moeda seguiu o mesmo movimento de outras no mercado', diz Guardia

Ministro da Fazenda lembrou que o Banco Central aumentou a intervenção no mercado para conter a volatilidade da moeda

Eduardo Rodrigues e Lorenna Rodrigues, O Estado de S.Paulo

21 Maio 2018 | 12h47

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, repetiu nesta segunda-feira que a desvalorização do real em relação ao dólar é um movimento global e lembrou que o Banco Central aumentou a intervenção no mercado para conter a volatilidade da moeda. “O real tem tido o mesmo movimento de outras moedas de países emergentes. O Banco Central aumentou a quantidade de swaps oferecidos ao mercado pra evitar excesso de volatilidade”, afirmou, em conferência com a imprensa estrangeira.

+ Mercado eleva previsão do dólar no fim do ano para R$ 3,43

Na visão do ministro, a alta do dólar se deve à normalização da política monetária dos Estados Unidos. “É algo que não podemos evitar, não temos como evitar essa tendência. Tudo que podemos fazer é tentar evitar excessos de volatilidade”, respondeu.

Guardia citou que o Brasil tem um colchão de liquidez confortável e não possui grande endividamento em dólar. Ele elencou o nível das reservas internacionais e o pequeno déficit nas contas externas, que é totalmente financiado por investimentos estrangeiros. O ministro pontuou ainda que os juros básicos da economia estão no menor patamar histórico.

“O Brasil tem situação diferente de outros emergentes, porque reservas internacionais fortes”, completou.

+ País terá de encontrar novo ponto de equilíbrio no câmbio, diz Canuto

O ministro voltou a dizer ainda que o governo vai continuar a agenda de reformas e citou as medidas estruturais já aprovadas, como o teto de gastos, a reforma trabalhista e nova lei das estatais. “Temos muito a fazer, sobretudo a Reforma da Previdência, que pretendemos aprovar no começo do próximo ano. Estamos trabalhando também pela privatização da Eletrobras”, acrescentou.

Segundo o ministro, a agenda de reformas é importante para que o país mantenha o que conquistou e tenha crescimento sustentável para os próximos anos. Ele citou medidas apresentadas para aumento da produtividade e confirmou que amanhã o governo deve divulgar uma nova previsão para o crescimento do PIB, no Relatório Bimestral de Avaliação de Receitas e Despesas. Ele não adiantou a novo parâmetro.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Guardia dólar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.