Novo recorde do petróleo acentua queda das Bolsas

O preço do petróleo estabeleceu novo recorde esta manhã na Bolsa Mercantil de Nova York (Nymex) e jogou os principais índices acionários globais ainda mais para baixo. O contrato para agosto do petróleo abriu a sessão regular da Nymex, às 11 horas, já em nível recorde de alta, a US$ 76,00 o barril e foi até US$ 76,35 o barril na máxima. O índice Dow Jones da Bolsa de Nova York caía 0,99%, o Nasdaq recuava 1,29% e o S&P 500 operava em baixa de 0,76%. Na Europa, as Bolsas de Frankfurt e de Paris operam em baixa de quase 2%. Em São Paulo, a Bovespa já chegou a cair quase 2%, mas às 11h38 reduzia as perdas para 1,44%. O volume de negócios até este horário estava em R$ 384 milhões. Embora o foco do mercado esteja na tensão entre Israel e o grupo islâmico libanês Hezbollah, a disparada do petróleo aumenta a sensibilidade a fatos novos. Especialmente porque ontem os investidores que apostam na alta dos preços da commodity, ampliaram suas posições depois da divulgação de queda acima da prevista nas reservas de petróleo e gasolina pelo governo dos EUA. As ações do segmento de tecnologia são castigadas também pelo alerta da gigante alemã de softwares SAP, o que renova as preocupações com a temporada de balanços do segundo trimestre nos EUA. As ações da empresa caíram 7% em Frankfurt, projetando as ações de suas concorrentes norte-americanas, como Oracle em forte baixa. Os papéis da Wal-Mart operavam em baixa de 2,64%, refletindo o desapontamento dos investidores com o rebaixamento em sua recomendação pela Merrill Lynch. Os papéis da Disney, que como a Wal-Mart também estão na cesta Dow Jones, caíam 3,14%, também por conta de rebaixamento de recomendação. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.