Núcleo do CPI supera previsões e mercados reagem

Os mercados reagem em queda no exterior à divulgação do relatório sobre os preços ao consumidor (CPI) nos EUA. Os investidores vendem ações e títulos do Tesouro norte-americano (Treasuries) diante da informação de que o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,3% em abril, mesma variação de março, mas acima das estimativas de aumento de 0,2%. Ontem, os mercados haviam reagido favoravelmente ao PPI, cujo núcleo subiu menos do que o esperado. O dólar, por sua vez, segue pressionado, apesar do número potencialmente positivo para esse mercado. A alta no núcleo do índice reflete aumento de 0,3% nos serviços, cujo aumento embute elevação nos custos com trabalho, importante fator de pressão inflacionária. Especialistas observam também a alta de 3,5% do CPI no acumulado em 12 meses até abril, atribuída à elevação dos preços de energia, que não pode, portanto, ser considerada temporária, como atribuída pelas autoridades. Ainda, a taxa de inflação nesse nível, com perspectiva de alta, é um problema para a economia. O núcleo do CPI subiu 2,3% em 12 meses até abril. Às 9h46 (de Brasília), o juro do note de 10 anos subia 1,09% para 5,1583%. O futuro Nasdaq-100 caía 0,51% e o S&P 500 recuava 0,49%. Ambos operavam em alta antes do dado. A Bolsa de Londres aprofundou queda para 0,73%, assim como a de Frankfurt e de Paris, que cediam 0,68% e 0,35%, respectivamente. O dólar valia 109,13 ienes e o euro subia para US$ 1,2903, de 109,30 ienes e US$ 1,2882, respectivamente, antes do dado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.