NY cai com temor de "pouso forçado"; imóveis no foco da próxima semana

O temor de "pouso forçado" continua pressionando as bolsas norte-americanas e coloca nesta manhã os principais índices acionários de Wall Street na mesma dinâmica apresentada em maio, quando o preço das ações despencou logo depois de se aproximar de nível recorde. Especialistas não vislumbram trégua para investidores na semana que vem, quando o mercado imobiliário (housing market) voltará ao noticiário. Na segunda-feira, a Associação Nacional dos Corretores divulgará as vendas de imóveis usados em agosto; em julho, o volume de vendas caiu ao menor nível desde janeiro de 2004. Na quarta-feira, o Departamento do Comércio informará o nível das vendas de imóveis novos em agosto; em julho, despencaram 21,6% em comparação ao mesmo mês de 2005. A revisão final do PIB do segundo trimestre também atrairá as atenções. Estas informações podem confundir o mercado, que subiu em meio a expectativas de "soft landing". "Os investidores estavam olhando apenas para o lado rosa da economia", diz o estrategista da Cantor Fitzgerald, Marc Pado. "Com o mercado imobiliário no topo das atenções na próxima semana", a cautela deve ser mantida, aposta. Às 11h57 (de Brasília), o índice Dow Jones tinha queda de 0,38%; o S&P 500 cedia 0,49% e o Nasdaq operava em baixa de 0,98%. Na quarta-feira, o índice Dow Jones fechou 110 pontos abaixo de seu recorde histórico de 11.722,98 pontos, alcançado em 14 de janeiro de 2000. As ações da Hewlett-Packard (HP), que ontem caíram 5%, perderam mais de 1,3% nesta manhã, na esteira das informações sobre espionagem na empresa, na qual o diretor-executivo, Mark Hurd, pode estar envolvido. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.