NY deve abrir sem direção clara após dados de consumo

  Números apontam para uma economia menos aquecidada do que se esperava neste quarto trimestre nos Estados Unidos

Altamiro Silva Junior, correspondente da Agência Estado,

30 de novembro de 2012 | 12h45

As bolsas dos Estados Unidos devem iniciar a última sessão de novembro sem direção clara, após os dados sobre consumo e renda dos americanos divulgados nesta sexta-feira, que sinalizam uma economia menos aquecida no quarto trimestre. Às 12h15 (de Brasília), o Dow Jones futuro avançava 0,04%, o Nasdaq subia 0,07% e o S&P 500 tinha queda de 0,04%.

Sem maiores novidades nas discussões sobre o "abismo fiscal" depois da troca de farpas na quinta-feira entre republicanos e democratas, e a indicação de que o acordo pouco avançou, os investidores avaliam mais de perto nesta sexta-feira os indicadores econômicos.

A expectativa de investidores era de que os dados sobre consumo e gastos mostrassem se a economia americana está mesmo desacelerando no quarto trimestre. Na quinta-feira, após o governo divulgar dados revisados do Produto Interno Bruto (PIB), com crescimento de 2,7% no terceiro trimestre, economistas afirmaram que a situação no último período do ano iria ser diferente, com o PIB crescendo bem menos. O HSBC projeta expansão de 0,5% para o período.

Os dados desta sexta-feira mostram redução de 0,2% nos gastos com consumo em outubro ante setembro. A previsão dos analistas de Wall Street era de estabilidade para o período. Foi a primeira queda desde maio e o furacão Sandy teve parte da responsabilidade pela redução, segundo o documento do Departamento de Comércio. Já a renda dos americanos subiu 0,1% no mesmo período, pouco abaixo da previsão dos analistas ouvidos pela Dow Jones, de 0,2%.

"Uma tendência de crescimento menor da economia americana se desenha neste quarto trimestre", avalia o economista-chefe da Markit, Chris Williamson. Ele destaca que o investimento industrial deve ficar fraco entre outubro e dezembro e o consumo deve acelerar mais perto do Natal.

Entre as notícias corporativas, o papel da empresa que desenvolve jogos virtuais Zynga despencava 8,40% às 12h15. O principal cliente da empresa é a rede social Facebook. Na quinta-feira as companhias anunciaram mudanças nos termos do contrato da parceria. Entre as alterações, o Facebook vai poder desenvolver seus próprios jogos. O papel da rede social recuava 0,33% no horário citado acima.

A Zynga passa por um "inferno astral". Além dos problemas de relacionamento com o Facebook, os resultados trimestrais vieram ruins, executivos importantes deixaram a companhia e as projeções de ganhos para 2013 já foram reduzidas duas vezes.

Ainda no mundo corporativo, o papel do Citigroup recuava 0,37% no pré-mercado, em meio a rumores divulgados pela imprensa americana de que o banco vai demitir 150 pessoas em sua corretora e ainda reduzir bônus de executivos no banco de investimento, em uma tentativa de cortar custos.

No setor de fast food, os funcionários de redes como McDonald''s, Taco Bell, KFC e Burger King ameaçam entrar em greve nesta sexta-feira. Ontem, começaram protestos em Nova York pedindo melhores salários. No pré-mercado, o papel do McDonald''s recuava 0,44%.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.