NY devem abrir em alta à espera de números da economia

As bolsas norte-americanas devem iniciar o pregão desta terça-feira, 11, em alta, sinalizam os índices futuros. Em novo dia de agenda esvaziada nos EUA, o tom de cautela predomina em Wall Street e a manhã é de volatilidade nos preços, com os investidores monitorando a situação na Ucrânia e à espera de novos indicadores da economia norte-americana. Às 10h15 (de Brasília), o Dow Jones futuro subia 0,07%, o Nasdaq ganhava 0,19% e o S&P 500 avançava 0,08%.

ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE, Agencia Estado

11 de março de 2014 | 10h24

Os números mais esperados da semana nos EUA, as vendas no varejo de fevereiro, saem na quinta-feira, 13. Dados de inflação ao produtor e da confiança do consumidor serão anunciados na sexta. Hoje, o dia tem a divulgação de alguns números, mas que costumam ter repercussão menor no mercado financeiro.

Logo após a abertura do mercado, às 11h (de Brasília), saem os estoques do atacado de janeiro. A projeção do banco BMO Capital Markets é de expansão de 0,3%, pouco menor que a alta de 0,5% de dezembro. A desaceleração seria por conta de uma menor necessidade de recomposição dos estoques por conta do comércio mais fraco em meio ao inverno rigoroso. Mais cedo, foi divulgado o índice de otimismo das pequenas empresas, que caiu para 91,4 em fevereiro por conta da preocupação com emprego e vendas. Os economistas previam o indicador em 93.

Para o estrategista-chefe da Capitol Securities Management, Kent Engelke, o fato de a economia norte-americana ter gerado mais empregos em fevereiro é um sinal de que os efeitos do inverno e das nevascas na atividade econômica está se dissipando. A expectativa agora é ver como outros indicadores de fevereiro virão, escreveu o executivo em uma análise do mercado.

A terça-feira começou em Wall Street com notícias não muito animadoras vindas do exterior. Na Europa, indicadores mistos dos diversos países da região geraram volatilidade, com a produção industrial inglesa decepcionando e o superávit comercial da Alemanha surpreendendo positivamente. Na China, segue a preocupação com a desaceleração do crescimento do país. Na crise ucraniana, o parlamento da Crimeia resolveu dar mais um passo para se aproximar da Rússia, adotando uma declaração de independência.

No mundo corporativo, a montadora General Motors deve ser alvo de investigação do Congresso norte-americano, segundo o The Wall Street Journal, por conta de um demorado recall em seus veículos que pode estar ligado a morte de 13 pessoas. Os funcionários sabiam de um problema na ignição desde 2004, mas o recall só foi anunciado no mês passado. No pré-mercado, o papel da GM recuava 0,25%.

A ação da rede de lojas de eletrônicos J.C. Penney era um dos destaques de alta esta manhã, subindo 6,65% no pré-mercado. O Citigroup elevou a recomendação do papel para "compra" em um relatório divulgado hoje.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.