NY em baixa, com setor imobiliário de novo em foco

As Bolsas de Valores de Nova York aceleraram a queda após a divulgação do dado de confiança do consumidor norte-americano de março, que ficou abaixo do esperado e caiu pela primeira vez em cinco meses, de acordo com o Conference Board. O mercado de ações cede também nos EUA com a retomada das preocupações com o setor de empréstimos imobiliários a clientes de maior risco (subprime), após a construtora de residências Lennar alertar que os recentes problemas nesta categoria de empréstimo estão afetando seus lucros. Às 13h23, o índice Dow Jones da Bolsa de Nova York cedia 0,57% e o Nasdaq recuava 0,68%. Na Bolsa de Valores de São Paulo, o índice Bovespa operava em baixa de 0,70% no mesmo horário. As ações da rede de varejo Wal-Mart também estão entre os destaques de queda em Wall Street, cedendo cerca de 1,5% com as notícias divulgadas no jornal britânico The Independent de que a gigante norte-americana do varejo estaria estudando se sua unidade britânica Asda poderia realizar uma oferta pelo J Sainsbury, de cerca de US$ 20 bilhões. Já as ações da farmacêutica Bristol-Myers Squibb caíam 0,1%, após o relatório de que a Sanofi-Aventis estaria considerando realizar uma oferta pela parceira para o remédio Plavix. Segundo um jornal, o presidente e o chefe-executivo da Sanofi estão divididos quanto ao lançamento da oferta, mas o presidente, que é a favor, deve ter a preferência da diretoria. As ações da DaimlerChrysler subiam 1,7%. A empresa anunciou que irá atrasar a divulgação dos resultados do primeiro trimestre de 26 de abril para 15 de maio. Além disso, as notícias de que a venda da Chrysler pode ocorrer em algumas semanas e que as primeiras ofertas devem ser feitas já no fim desta semana deram o tom da negociação das ações. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.