NY fecha em queda antes de Jackson Hole

As bolsas de Nova York fecharam em queda nesta quinta-feira, com as expectativas com o discurso do presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, na conferência de Jackson Hole na sexta-feira. Além disso, os mercados foram pressionados pelo ressurgimento dos temores com a crise da divida na Europa, em especial na Espanha.

ÁLVARO CAMPOS, Agencia Estado

30 de agosto de 2012 | 18h05

O índice Dow Jones perdeu 106,77 pontos (0,81%) e fechou a 13.000,71 pontos, o menor nível desde 2 de agosto. O Nasdaq recuou 32,48 pontos (1,05%), fechando a 3.048,71 pontos. E o S&P 500 teve queda de 11,01 pontos (0,78%), fechando a 1.399,48 pontos.

Na agenda de indicadores dos EUA, o Departamento do Trabalho divulgou que o número de trabalhadores norte-americanos que entraram pela primeira vez com pedido de auxílio-desemprego ficou inalterado em 374 mil, após ajustes sazonais, na semana até 25 de agosto. Os economistas ouvidos pela Dow Jones esperavam um total de 370 mil solicitações.

Separadamente, o Departamento do Comércio informou que a renda pessoal nos EUA subiu 0,3% em julho, ficando em linha com as previsões dos economistas. Já os gastos dos consumidores aumentaram 0,4% em julho, também em linha com as projeções. E o Federal Reserve de Kansas City revelou que seu índice de atividade industrial regional subiu para 8 em agosto, da leitura de 5 em julho.

Na Europa, a Comissão Europeia divulgou que seu índice de sentimento econômico da zona do euro caiu para 86,1 em agosto, o nível mais baixo em quase três anos. Enquanto isso, os traders voltaram a se focar na Espanha, em meio a rumores de que o país pode pedir em breve um pacote de resgate internacional. O Fundo Monetário Internacional (FMI) disse nesta sexta-feira que não recebeu qualquer tipo de solicitação financeira de Madri, que, por enquanto, conta apenas com o auxílio de até 100 bilhões de euros aprovado para o combalido setor bancário espanhol.

Além disso, todas as expectativas estão concentradas no discurso de Bernanke na sexta-feira em Jackson Hole. Segundo o website do Fed, ele deve começar a falar às 11h (de Brasília). Sua fala será acompanhada atentamente em busca de sinais de que o banco central está disposto a adotar uma terceira rodada de relaxamento quantitativo (QE3, na sigla em inglês).

"Sem saber direito o que esperar do Fed, o foco se volta para a Europa", afirma Bill Stone, estrategista-chefe de investimento da PNC. "As pessoas estão encerrando posições antes da conferência de Jackson Hole e o fim de semana prolongado", comentou Richard Bove, vice-presidente de pesquisa com ações da Rochdale Research.

No noticiário corporativo, as ações da Sears Holdings caíram 7,92%, após a notícia de que rede de lojas de departamento vai sair do índice S&P 500 depois do fechamento do mercado no dia 4 de setembro. Já os papéis da Gap subiram 2,67%, após a companhia reportar um aumento maior do que o esperado nas vendas em agosto.

O setor financeiro teve um desempenho fraco na sessão desta quinta-feira (Citigroup -0,87%, JPMorgan -1,07%, Goldman Sachs -0,77% e Bank of America -1,12%). As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaq

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.