NY fecha sem direção comum, mas sobe na semana

As bolsas de Nova York fecharam em direções divergentes nesta sexta-feira, 26, após uma sessão volátil na qual os investidores digeriram o relatório sobre o PIB dos EUA no primeiro trimestre, balanços corporativos e as expectativas com as reuniões do Federal Reserve e do Banco Central Europeu (BCE) na próxima semana.

Agencia Estado

26 de abril de 2013 | 17h56

O índice Dow Jones ganhou 11,75 pontos (0,08%), fechando a 14.712,55 pontos. O Nasdaq perdeu 10,73 pontos (0,33%), encerrando a sessão a 3.279,26 pontos. E o S&P 500 caiu 2,92 pontos (0,18%) e fechou a 1.582,24 pontos. No acumulado da semana, o Dow Jones subiu 1,13%, o Nasdaq avançou 2,28% e o S&P 500 teve alta de 1,74%.

A economia dos EUA não conseguiu se recuperar no nível previsto no primeiro trimestre, o que pode sugerir mais um ano de crescimento fraco, com os já existentes sinais de queda nas contratações e investimentos. O PIB cresceu a uma taxa anualizada de 2,5%, ante previsão de crescimento de 3,2%. Mesmo assim, o número representa uma recuperação em relação ao crescimento de 0,4% no trimestre anterior.

O conselheiro econômico do governo de Barack Obama, Alan Krueger, repercutiu o resultado do PIB dizendo que o avanço foi mais uma prova de que a economia norte-americana está na direção certa. Ele destacou que esse foi o 15º trimestre consecutivo de crescimento da economia dos EUA, mas alertou que os cortes automáticos de gastos federais que entraram em vigor em março "vão reduzir os investimentos necessários para a futura competitividade do país".

Além do PIB, a Universidade de Michigan divulgou nesta sexta que o índice de sentimento do consumidor caiu para 76,4 na leitura final de abril, de 78,6 em março. O resultado, porém, ficou acima das expectativas dos analistas consultados pela Dow Jones, que esperavam uma leitura de 73,8.

O crescimento do PIB abaixo da expectativa motivou a tese de que o Federal Reserve provavelmente não reduzirá o seu relaxamento quantitativo no curto prazo. Enquanto isso, as expectativas com a reunião do BCE oscilam a cada novo comentário de uma autoridade europeia. Os participantes do mercado esperam que o BCE corte os juros em 25 pontos-base na próxima semana, após uma série de indicadores negativos sobre a economia europeia.

No campo corporativo, a Chevron informou nesta sexta-feira que seu lucro líquido caiu 4,5% no primeiro trimestre, a US$ 6,18 bilhões (US$ 3,19 por ação), o que fez as ações da companhia subirem 1,29%. A Amazon teve desvalorização de 7,24%, depois de divulgar na noite de quinta-feira, 25, uma receita para o primeiro trimestre que ficou abaixo das expectativas.

Já a JC Penney disparou 11,55%, após o fundo de hedge Soros Fund Management informar que comprou uma fatia de 7,91% na varejista de vestuário e fontes afirmarem que a empresa pode conseguir um empréstimo de US$ 1,75 bilhão do Goldman Sachs. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqfechamentosemana

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.