NY opera em alta com indicadores do Japão e da China

As Bolsas dos EUA operam em alta, em reação aos indicadores divulgados na China e no Japão. O superávit comercial da China alcançou US$ 28,6 bilhões em agosto, quando economistas previam que ele ficasse em US$ 20,4 bilhões. O crescimento do PIB do Japão no segundo trimestre foi revisado para 3,8% (taxa anualizada), de 2,6% na estimativa preliminar. A reação do mercado a esses dados contrabalançou a preocupação do mercado com a possibilidade de os EUA lançarem uma operação militar contra a Síria e com a perspectiva da política monetária do Federal Reserve.

RENATO MARTINS, Agencia Estado

09 de setembro de 2013 | 14h13

"As pessoas estão menos preocupadas com o Fed e os dados da China deixaram as pessoas mais confiantes. É por isso que as pessoas concluíram que é hora de colocar algum dinheiro para trabalhar", comentou o estrategista Michael O''Rourke, da JonesTrading.

As ações de indústrias e de empresas ligadas a materiais estão entre as maiores altas, devido ao otimismo quanto à perspectiva das vendas para a China. As de tecnologia também estão subindo, lideradas pela Apple, em reação ao informe de que a empresa lançará dois novos modelos do iPhone nos próximos dias.

Há pouco, as ações da Apple subiam 1,7%; as da Delta Air Lines avançavam 7,4%, depois de a Standard & Poor''s Dow Jones Indexes anunciar que elas vão substituir as da BMC Software como componentes do índice S&P-500. Entre as componentes do índice Dow Jones, os destaques são Caterpillar (+2,9%), Alcoa (+1,5%) e Microsoft (+1,4%).

Às 14h07 (de Brasília), o Dow subia 118 pontos (0,79%), para 15.040 pontos; o Nasdaq avançava 34 pontos (0,93%), para 3.694 pontos; o S&P-500 ganhava 11 pontos (0,72%), para 1.667 pontos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNYJapãoChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.