NY segue em baixa com índice de imóveis

Venda de residências usadas caiu 27,2% em julho nos EUA, para o nível mais baixo em 15 anos

Renato Martins, da Agência Estado,

24 de agosto de 2010 | 15h01

O mercado norte-americano de ações segue em baixa, embora com os principais índices acima das mínimas do dia. O índice Dow Jones chegou a operar abaixo dos 10 mil pontos. O mercado reagiu ao indicador de vendas de imóveis residenciais usados, que caiu 27,2% em julho, para o nível mais baixo em 15 anos.

"Que o indicador seria ruim não é uma surpresa, mas o dado é um desastre total. Para 90% dos americanos, seu maior investimento é sua casa; e, com a crise no setor de moradias, eles estão se sentindo menos ricos e gastando menos. Isso nos deixa muito nervosos sobre o momento em que vamos começar a ver os indicadores dos gastos do consumidor neste momento", disse Tyler Vernon, sócio e gerente de carteira da Biltmore Capital Advisors. Segundo ele, o indicador divulgado hoje levou a Biltmore a elevar sua previsão para a probabilidade de uma recessão de "duplo mergulho".

Os investidores também estão apreensivos quanto à conferência anual organizada pelo Fed de Kansas City em Jackson Hole (Wyoming), na sexta-feira e no sábado, depois de uma reportagem do Wall Street Journal dizer que há divergências entre os dirigentes do Fed sobre o que fazer a seguir a respeito da debilidade da economia e do risco de deflação. "Isso deixou o mercado um pouco nervoso. Não queremos ouvir que os dirigentes do Fed estão inseguros sobre como nos tirar dessa", disse a estrategista Quincy Crosby, da Prudential Financial.

As ações da Alcoa caíam 2,89%, as da Boeing recuavam 3,08% e as da General Electric perdiam 2,55%.

Às 15h19 (de Brasília), o índice Dow Jones caía 1,03%, para 10.069 pontos, depois de ter batido na mínima de 9.991 pontos; o Nasdaq recuava 1,36%, para 2.130 pontos; o S&P-500 perdia 1,19%, para 1.054 pontos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsasDow JonesNasdaqimóveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.