Daniel Karmann/Pool Photo via AP
Daniel Karmann/Pool Photo via AP

Para Obama, parceria entre EUA e Alemanha é a aliança mais forte que o mundo já viu

Presidente americano está na Baviera para participar do encontro do G7, que entre outros assuntos, discutirá comércio e extremismo

Estadão Conteúdo

07 de junho de 2015 | 09h29

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, classificou a atual parceria entre os Estados Unidos e a Alemanha "como uma das fortes alianças que o mundo já viu", durante discurso após chegar à cidade de Krün, próximo ao hotel Schloss Elmau, na Baviera, onde acontecerá o encontro do G-7. Obama citou o conflito entre a Rússia e a Ucrânia como uma das discussões do grupo.

O presidente da União Europeia, Donald Tusk, paralelamente em Schloss Elmau, comentou que a única questão a ser discutida pela União Europeia é quando tornar as sanções contra a Rússia ainda mais rígidas, diante do rompimento do acordo de paz fechado em fevereiro. "Se alguém quer dar início a um debate sobre mudanças no regime de sanções, a discussão só pode ser sobre fortalecê-las", disse Tusk, que foi primeiro-ministro da Polônia.

Em Krün, a acompanhado da chanceler Angela Merkel e cercado por locais sustentando jarros de cerveja e trajados com tradicionais shorts de couro e suspensórios, Obama disse que, além da crise da Rússia e Ucrânia, os representantes das economias líderes mundiais irão discutir temas como o comércio, o extremismo e as mudanças climáticas. Os líderes mundiais estão agradecidos pela "liderança e parceria com sua chanceler", disse Obama.

Do lado de fora do hotel, grupos protestavam contra o capitalismo e o G-7. Um grupo soltou balões com os rostos dos líderes do G-7, pedindo que cumprissem os compromissos de combate a pobreza no mundo.

Um grupo de 100 policiais faz a segurança para evitar que 200 manifestantes se aproximem demais do local onde acontece o encontro, que pediam por "liberdade e paz, fim do G-7" e carregavam slogans como "medidas para o povo, não para o mercado".

Tudo o que sabemos sobre:
g-7baváriaobamarússiaucrânia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.