OCDE: plano de Obama para bancos pode evitar crises

O plano do presidente dos EUA, Barack Obama, para separar as atividades de banco comercial de atividades de maior risco dentro das instituições financeiras pode ajudar a evitar futuras crises, afirmou o secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Angel Gurría. "O plano do presidente Barack Obama pode ajudar a evitar uma nova crise financeira ao resolver alguns grandes riscos inerentes ao atual sistema financeiro", disse Gurría em comunicado.

DANIELLE CHAVES,

26 Janeiro 2010 | 11h25

No entanto, Gurría observou que questões de tempo e detalhes sobre a estrutura proposta para os conglomerados financeiros no futuro precisam ser esclarecidas. Segundo Gurría, "uma clara lição" da crise financeira é a de que "alavancagem excessiva e tomada de risco por meio de inovações financeiras que não correspondem às necessidades bancárias dos clientes corporativos e de varejo" devem ser evitadas.

O secretário-geral da OCDE disse que atividades de alto risco, como operações com produtos estruturados, devem ser separadas de atividades de banco de investimento e comerciais, que são destinadas a atender as necessidades dos executivos e das famílias. Gurría argumentou que isso pode ajudar a evitar que o contágio ou as perdas com atividades de alto risco absorvam o capital de todo o conglomerado, o que leva à necessidade de socorro.

Gurría afirmou que a OCDE, favorece estruturas nas quais atividades de banco comercial e algumas atividades de investimento são separadamente capitalizadas dentro das instituições financeiras. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
EUA, Barack Obama, bancos, OCDE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.