Oferta da Gafisa inclui ADS, na proporção de 1 para cada 2 ações

 A Gafisa atualizou o prospecto preliminar da sua oferta primária de 74 milhões de ações, colocando como preço estimado R$ 13,55, correspondente ao valor de fechamento no pregão de 23 de fevereiro. Assim, a construtora e incorporadora prevê alcançar R$ 1.002.700.000,00, sem considerar lotes extras.

Luana Pavani, da Agência Estado,

25 de fevereiro de 2010 | 15h43

 

A distribuição inclui oferta no exterior, inclusive sob a forma de American Depositary Shares (ADS), representadas por ADRs, a serem emitidas pela companhia, com registro na Securities and Exchange Comission (SEC). Cada ADS corresponderá a duas ações, conforme o prospecto. As ações ordinárias da Gafisa são negociadas na New York Stock Exchange (Nyse), na forma de ADS sob o código "GFA". O preço de cada ADS estimado, também com base no pregão de 23/02, é de US$ 29,81.

 

A quantidade original poderá ser acrescida de lote suplementar de até 15%, inclusive na forma de ADSs, o que corresponde a 11,1 milhões de ações, e outros 20% do total de ações e ADS como lote adicional (14,8 milhões de papéis), podendo atingir R$ 1,35 bilhão - ainda com base no preço de R$ 13,55.

 

De toda forma, o preço por ação será definido em 23 de março, quando se encerra o procedimento de coleta de intenção de investimento (bookbuilding), que se inicia dia 11 de março. O cronograma não foi alterado.

 

O período de reserva vai de 18 a 22 de março. A incorporadora espera obter registro da oferta pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em 24 de março, e iniciar a negociação das ações em bolsa no dia seguinte. A liquidação da oferta está prevista para 29 de março. Os bancos contratados para coordenação da atual oferta, com esforços de colocação no exterior,

são Itaú BBA (líder), JP Morgan e Banco Votorantim.

 

Entre os fatores de risco citados no prospecto, a companhia alerta que não dispõe de mecanismos de proteção contra aquisições hostis (poison pills).

Tudo o que sabemos sobre:
Gafisa, ADS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.