Oferta da GVT sai ao preço de R$ 56 por ação

Número de ações objeto da oferta é de 17.788.607, excluindo-se as detidas pela Vivendi e por diretores e membros do conselho

Luana Pavani, da Agência Estado,

26 de março de 2010 | 11h13

A Vivendi inicia hoje oferta pública de aquisição de ações (OPA) pela totalidade das ações da

GVT. O leilão está marcado para o dia 27 de abril, às 13h, no Mega Bolsa da BM&FBovespa.

 

O número de ações objeto da oferta é de 17.788.607, excluindo-se as detidas pela Vivendi e por diretores e membros do conselho de administração. Entretanto, a quantidade pode ser aumentada em 2.926 ações se a companhia decidir emitir novos papéis dentro do plano de opção de compra de ações. Atualmente, a Vivendi detém 119.455.953 ações, ou 87% do total da operadora de telefonia e banda larga brasileira.

 

O preço de compra por ação na oferta é de R$ 56,00 - sendo que ontem o papel fechou em R$ 57,53. O valor definido para a oferta é o mesmo pago em 13 de novembro, quando a Vivendi comprou ações em operações privadas, um dia após a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) ter concedido anuência prévia para a transferência do controle acionário da GVT para a Vivendi.

 

O contrato entre a francesa e a brasileira para oferta pública de 100% do capital data de 8 de setembro, quando o preço anunciado inicialmente era de R$ 42. Em seguida, a Telefônica (Telesp) fez propostas de R$ 48 por ação, depois R$ 50,50 por ação.

 

Na OPA, haverá atualização do valor por ação pela variação da taxa Selic contando de 13 de novembro até a data de liquidação, três dias após o leilão, ou seja, 30 de abril.

 

O cancelamento de registro de companhia aberta da GVT ocorrerá se acionistas titulares de mais de dois terços das ações em circulação aceitarem a oferta ou concordarem expressamente com o cancelamento. No dia 8 de março, acionistas representando 31,98% do capital social haviam aprovado o cancelamento do registro de companhia aberta da GVT - lembrando que sua conclusão depende do resultado da OPA.

 

Após a conclusão e liquidação da OPA, a Vivendi pretende implementar reorganização societária de modo que a subsidiária VTB Participações seja incorporada à GVT ou vice-versa, o que também pode incluir a incorporação da GVT pela Global Village Telecom, sua subsidiária. A oferta pública está sendo intermediada pelo Itaú BBA.

Tudo o que sabemos sobre:
GVTopa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.