Oferta de gasolina preocupa e petróleo segue em alta

Os contratos futuros de petróleo registram ganhos fortes, diante das previsões de um mercado de gasolina limitado durante a temporada de verão no Hemisfério Norte alavancando os preços de todo o complexo de energia. O temor ganhou força ontem, após a divulgação dos relatórios do Departamento de Energia dos EUA mostrando queda de 4,4 milhões de barris nos estoques norte-americanos de gasolina na semana passada. A diminuição ocorre na seqüência do declínio de 5,4 milhões de barris nos estoques de gasolina na semana anterior. "Se esse tipo de declínio forte nos estoques visto nas últimas três a quatro semanas continuar por mais um mês, todas as apostas estarão fora. Há pouco armazenamento de gasolina", afirmou um operador. Os analistas da Sucden Commodity afirmaram que a queda dos estoques de gasolina está dando suporte para o petróleo e deve manter o preço da commodity bruta acima de US$ 65 o barril no curto prazo. Além das questões de oferta, há temores geopolíticos motivando a alta. Enquanto nenhum novo desdobramento quanto aos problemas do Irã ocorreu hoje, o ministro do Petróleo do Catar, Abdullah al-Attiyad, afirmou que estava confiante que o Irã não deverá afetar os embarques de petróleo no Golfo Pérsico. Na semana passada, uma autoridade do governo de Teerã disse à agência Dow Jones que se as conversas sobre sanções ao Irã continuarem, o país não iria permitir que a região exportasse petróleo. Às 9h20, o contrato futuro do petróleo para maio subia 0,94%, para US$ 67,70 por barril, na Nymex eletrônica, puxado pela alta de 2,20% do futuro para maio da gasolina, que era cotada a US$ 1,99 por galão. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.