OHL define remuneração de debêntures emitidas por suas controladas

As emissões da Autovias, Centrovias e Vianorte ocorrem em duas séries

Agência Estado,

23 de abril de 2010 | 09h25

As controladas do Grupo OHL, as concessionárias estaduais Autovias, Centrovias, Intervias e Vianorte publicam hoje anúncio de início de distribuição de debêntures simples, não conversíveis em ações, no valor unitário de R$ 1 mil. Com o encerramento do procedimento de coleta de intenções de investimento (bookbuilding), foram definidas as taxas de remuneração.

 

As emissões da Autovias, Centrovias e Vianorte ocorrem em duas séries. A da Autovias alcança R$ 405 milhões em debêntures, com venda total do lote suplementar. As da primeira série (total de 285 mil papéis) têm remuneração com base no DI e spread de 1,60% ao ano. As da 2ª série (120 mil debêntures) pagam taxa de 8,00% ao ano.

 

A Centrovias emite R$ 406,131 milhões em debêntures, vendendo também parcialmente lote suplementar, sendo 286.131 papéis da 1ª série e 120 mil da 2ª. A remuneração é de DI mais 1,70% ao ano (1ª série) e de 8,0% ao ano (2ª série).

 

Já a Vianorte lança R$ 253,776 milhões (com venda parcial do lote suplementar), sendo 153.776 na 1ª série e 100 mil na 2ª. As da 1ª série pagarão DI mais 1,70% ao ano, e as da 2ª série 8,0% ao ano, saldados anualmente.

 

Para essas três empresas, as debêntures da 1ª série terão prazo de cinco anos e a remuneração será paga trimestralmente a partir da data de emissão (15 de março), sendo o primeiro pagamento em 15 de junho de 2010. As da 2ª série terão prazo de sete anos, serão pagas anualmente, a partir da data de emissão, sendo, portanto o primeiro pagamento em 15 de março de 2011.

 

Já a Intervias tem série única, de R$ 307,947 milhões em debêntures (com venda parcial do lote suplementar), com prazo de cinco anos e remuneração com base no DI mais 1,50% ao ano, a ser paga trimestralmente.

 

Os coordenadores das ofertas são Itaú BBA (líder) e BTG Pactual.

Tudo o que sabemos sobre:
OHLdebêntures

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.