Oi quer manter linhas fixas estáveis com novos planos

A Oi tem como objetivo manter a quantidade de linhas fixas em serviço estável neste ano. O diretor financeiro e de relações com investidores da Telemar, José Luís Salazar, afirmou hoje que a mudança no sistema de tarifação de pulso para minuto e os novos planos que poderão ser ofertados com essa nova medição devem auxiliar nesse objetivo.A companhia terminou 2006 com 14,388 milhões de linhas em atividade, o que representa a desconexão de aproximadamente 500 mil assinantes ao longo dos últimos 12 meses. Ao final do ano passado, a empresa já tinha 1,7 milhão de usuários nas novas formas de assinatura fixa."Agora, você poderá comunicar melhor para o cliente o conceito de telefonia fixa. Era muito difícil trabalhar com pulso." Daqui para frente, a flexibilidade que poderá ser agregada na cobrança da telefonia fixa permitirá que a companhia freie a tendência de queda no número de linhas fixas. O objetivo é empacotar mais minutos, por um valor ligeiramente superior à assinatura, nos moldes da telefonia móvel.Ao comentar a portabilidade numérica da telefonia celular, que deverá ser implantada em 2008, o executivo afirmou que o próprio lançamento da marca unificada Oi tem por objetivo facilitar a compreensão dos serviços e do conceito de convergência. Na opinião dele, a retenção de usuários, nos diversos serviços, ficará mais eficiente, pois o entendimento do consumidor está mais simples.A Oi investiu R$ 350 milhões no preparo de suas plataformas à conversão de pulso para minuto. O diretor da empresa disse que o novo modelo de cobrança, possivelmente, aumentará as despesas com tecnologia da informação, pois a quantidade de dados a serem processados para as contas aumentará substancialmente. No entanto, ele não espera impacto no balanço, pois acredita que o aumento desses gastos será compensado com outras linhas de receita do negócio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.