Oi retoma emissão de R$ 2,25 bi em debêntures

Liquidação da oferta será dia 3 de maio. Encerramento da operação está previsto para o dia 3 de novembro deste ano

Altamiro Silva Júnior, da Agência Estado,

30 de março de 2010 | 11h39

A Oi/Telemar retomou sua emissão de debêntures. De hoje até o dia 7 de abril, a operadora

apresenta a operação em São Paulo para potenciais investidores. No dia 20 de abril será feito o bookbuilding para a definição da remuneração dos papéis. A operadora planeja captar R$ 2,25 bilhões, mas a oferta pode chegar a R$ 3 bilhões com a venda de lotes extras.

 

Com a retomada da emissão, algumas condições da oferta foram alteradas. A Oi mudou a data de vencimento da primeira série dos papéis. O prazo aumentou em um ano, de 2014 para 2015. O vencimento da segunda série permanece inalterado em 2020. Com a alteração da data de vencimento, o prazo de resgate antecipado dos papéis também mudou. Na primeira série passou para 30 de março de 2013.

 

Inicialmente, a oferta, que foi aprovada pela operadora em novembro do ano passado, estava prevista para ocorrer em janeiro. No dia 2 de fevereiro, porém, o operação foi interrompida em meio à suspensão do processo de incorporação da Brasil Telecom pela Oi. A incorporação foi suspensa pelo grupo após a descoberta de um esqueleto judicial avaliado em R$ 2,5 bilhões, referente aos antigos planos de expansão do sistema Telebrás. Inicialmente, a estimativa mensurada para esse tipo de provisão era de R$ 1,29 bilhão.

 

Na semana passada, a Oi divulgou a nova relação de troca das ações das duas operadoras. Com isso, resolveu retomar a emissão de debêntures. A agência de classificação de risco Moody's manteve os ratings dos papéis mesmo com a mudança das condições. A nota permanece "Aaa.br", o ratings mais alto da agência em escala nacional.

 

A liquidação da oferta será dia 3 de maio. O encerramento da operação está previsto para o dia 3 de novembro deste ano.

Tudo o que sabemos sobre:
OiTelemardebêntures

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.