Operação entre Telefônica e GVT é aprovada com restrições

Concentração após negócio de 7,2 bilhões de euros anunciado em setembro enfrenta exigências do Conselho Administrativo de Defesa Econômica

LUCI RIBEIRO, Estadão Conteúdo

18 Fevereiro 2015 | 09h45

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com restrições, dois atos de concentração envolvendo a Telefônica Brasil e a GVT Participações, conforme despacho publicado no Diário Oficial da União (DOU). Nos dois casos, o órgão antitruste impõe a celebração de Acordos em Controle de Concentrações (ACC) como condição para a aprovação dos negócios.

A primeira operação aprovada pelo órgão consiste na cisão da empresa Telco, mediante assinatura de ACC entre Cade e Telefónica. A Telco, cujo capital pertencia à Telefônica e a bancos e seguradoras italianos, detinha participação na Telecom Itália, que controla a TIM no Brasil. Em junho deste ano, os quatro acionistas principais da Telco decidiram pela cisão da empresa, diluindo entre si o capital detido por ela na Telecom Itália.

Da mesma forma, também foi imposta a assinatura de ACC entre Cade e Telefônica Brasil e de ACC entre Cade e Vivendi na operação de aquisição da GVT pela Telefônica. A compra da empresa que pertencia à francesa Vivendi envolve o repasse das ações que a Telefônica detinha na Telecom Itália por meio da Telco. A compra da GVT pela Telefônica, anunciada em setembro, está avaliada em 7,2 bilhões de euros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.