Orçamento dos EUA e Fed ditarão abertura de NY hoje

As bolsas norte-americanas devem abrir sem direção única nesta segunda-feira, 23, a julgar pelos índices futuros, que assumiram trajetórias divergentes após dados de atividade dos Estados Unidos, da Europa e China, e antes dos pronunciamentos de vários dirigentes do Federal Reserve. Por volta das 10h15 (pelo horário de Brasília), no mercado futuro, o índice Dow Jones caía 0,12% e o S&P 500 recuava 0,26%, mas o Nasdaq subia 0,46%, impulsionado pela Apple, que divulgou vendas recordes dos últimos modelos do iPhone.

Agencia Estado

23 de setembro de 2013 | 10h45

Pesam em Nova York preocupações com o rumo das negociações sobre o orçamento dos EUA em Washington. Para Gail Dudack, diretora-gerente do Dudack Research, uma divisão da corretora Wellington Shields, o mercado deverá acompanhar as discussões sobre a questão orçamentária nas duas próximas semanas, o que pode gerar alguma volatilidade.

"O mercado acionário consegue lidar com notícias boas e ruins, mas não lida muito bem com a incerteza", disse Dudack. "Isso pode segurar um pouco os negócios e gerar volatilidade."

Além disso, os investidores acompanham discursos de dirigentes do Fed, que na semana passada surpreendeu ao manter inalterada a política monetária dos EUA. Falam hoje os presidentes das distritais do Fed em Atlanta, Dennis Lockhart, de Nova York, William Dudley, e de Dallas, Richard Fisher. Dos três, apenas Dudley tem direito a voto nas reuniões do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) deste ano.

No campo macroeconômico, os últimos índices de atividade (PMI) da zona do euro e China vieram favoráveis, mas o PMI industrial dos EUA recuou a 52,8 setembro, de 53,1 em agosto, ainda indicando expansão moderada do setor manufatureiro, segundo dados da Markit. Já o índice de atividade nacional do Fed de Chicago subiu para 0,14 em agosto, de -0,43 em julho.

Entre as empresa, a Apple se destaca, com forte alta de 6,14% no pré-mercado e dando suporte ao Nasdaq. A empresa já vendeu 9 milhões de unidades dos iPhones 5S e 5C desde que foram lançados, na última sexta-feira. A Blackberry, por outro lado, caía mais de 3% após prever um prejuízo trimestral bem maior do que o esperado e anunciar o corte de 4,5 mil funcionários. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
bolsas de valoresNYFed

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.