Otimismo com Olimpíada puxa alta do Nikkei

O índice subiu 1,54%, aos 14.423,36 pontos, no segundo pregão desta semana

AE, Agencia Estado

10 de setembro de 2013 | 04h57

As ações na Bolsa de Tóquio fecharam em alta nesta terça-feira, registrando o segundo acréscimo consecutivo em função da vitória da candidatura de Tóquio para sediar os Jogos Olímpicos em 2020.

A notícia ainda anima os investidores de varejo e impulsiona as ações de empreiteiras e empresas do setor financeiro. Os papéis ligados aos fabricantes de aço são beneficiados pelos sinais de crescimento do comércio internacional.

Após ganho de 2,5% na segunda-feira, o índice Nikkei fechou em alta de 1,54%, aos 14.423,36 pontos, no segundo pregão desta semana. No intraday, o índice atingiu o seu nível mais alto desde 2 de agosto.

O volume total de negociações superou 3,6 bilhões de ações, pela segunda vez desde meados de junho.

As ações de empresas dos setores de construção e imobiliário fecharam em alta, com otimismo sobre uma melhora da demanda em função dos Jogos Olímpicos de 2020. As ações da Kajima subiram 7,8%, enquanto o papel da Taisei avançou 13%. A ação da Sumitomo Mitsui Construction avançou 23%.

Enquanto isso, o papel da Sumitomo Realty & Development subiu 0,8% e a ação da Mitsubishi Estate teve alta de 2,0%.

Segundo o analista de marcado Kenichi Hirano, da Tachibana Securities, as condições do mercado de ações estão parecendo mais altistas globalmente, o que pode ajudar o Nikkei avançar, pelo menos, até o final do ano. Entre os fatores citados pelo analista estão as condições econômicas mais saudáveis nos EUA, uma probabilidade crescente da redução dos estímulos do Fed e uma atenuação nas tensões sobre a Síria.

"O verdadeiro fator crucial para o otimismo é a fé renovada de que as perspectivas de crescimento econômico da China serão muito melhores do que se temia".

Ainda assim, a série de dois dias seguidos de altas também contou com céticos.

"É difícil de colocar um preço no setor de construção", já que tem enfrentado problemas nos últimos 15 anos devido a cortes constantes nos gastos de obras públicas, disse o estrategista de ações Nicholas Smith, da CLSA. "Eu não sei de muitos investidores estrangeiros que estão dispostos a assumir um risco sobre isso", disse ele. "As coisas tendem a se acalmar rapidamente quando a base de investidores de varejo finalmente conseguir se controlar."

Em geral, Smith disse que, com o avanço do mercado a partir de apenas duas das "flechas" do "Abenomics" - flexibilização quantitativa ousada e robustos gastos fiscais - o primeiro-ministro Shinzo Abe precisará da terceira flecha de reformas estruturais para conseguir ganhos mais significativos.

Nesta terça-feira, as ações de empresas do setor financeiro fecharam em alta. O Sumitomo Mitsui Financial Group ganhou 1,5% e a Dai-ichi Life Insurance subiu 2,4%.

Além dos projetos de obras públicas, muitos analistas dizem que o projeto das Olimpíadas em Tóquio e seu impacto econômico devem significar um aumento nos contratos do setor privado, incluindo projetos de infraestrutura básica. Isso deve resultar em um aumento da demanda de financiamento, incluindo iniciativas de financiamento privado. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
Japãobolsa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.