Ouro encerra semana com maior queda desde novembro

Os contratos futuros do ouro fecharam em alta, parcialmente se recuperando após quatro sessões seguidas de queda, com ajuda do enfraquecimento do dólar. No entanto, os preços do metal precioso registraram a maior perda semanal desde novembro do ano passado.

Agencia Estado

21 de março de 2014 | 17h16

Analistas atribuíram o movimento de alta do ouro ao recuo apresentado pelo dólar nesta sexta-feira, 21, à volatilidade relacionada aos eventos na Ucrânia e à busca por barganhas pelos investidores depois das quedas dos últimos dias.

O ouro para abril terminou a sessão com ganho de 0,5%, ou US$ 5,50, a US$ 1.336 por onça-troy, na Comex - divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex). Com base nos contratos mais ativos, o ouro perdeu 3,1% nesta semana, a maior queda semanal desde a semana encerrada em 22 de novembro. A prata para maio caiu 0,6%, ou US$ 0,12, para US$ 20,31 por onça-troy, e acumulou declínio de 5,2% na semana - o maior desde a semana encerrada em 13 de setembro.

Ontem tanto o ouro quanto a prata haviam fechado no nível mais baixo deste mês até agora. "O ouro viveu uma forte oscilação entre os receios com a Crimeia e as expectativas com o Federal Reserve", comentou Jonathan Citrin, fundador e presidente-executivo do CitrinGroup.

Já os preços do paládio fecharam em um nível que não era visto há mais de dois anos, beneficiado por preocupações com a oferta do metal pela Rússia em razão das tensões entre o país e o Ocidente após ter anexado a Crimeia a seu território.

O paládio foi destaque entre os metais negociados na Comex, com os contratos para junho superando brevemente o patamar de US$ 800 por onça-troy, antes de fecharem a sessão com avanço de 2,3%, a US$ 789,30 por onça-troy - o nível mais alto desde setembro de 2011. (Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
Ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.