Ouro fecha em alta impulsionado por crise na Ucrânia

Os contratos futuros de ouro negociados na New York Mercantile Exchange (Nymex) fecharam em alta impulsionados pela crise na Ucrânia e pelo temor com um crescimento menor da China e dos Estados Unidos, o que fez com que aumente a procura por ativos considerados mais seguros.

MATEUS FAGUNDES, Agencia Estado

11 de março de 2014 | 16h49

O ouro para abril fechou em alta de US$ 5,20 (0,39%), a US$ 1.346,70 a onça-troy. Já a prata fechou em queda de US$ 0,064 (0,31%), a US$ 20,815 a onça-troy.

O impasse entre as potências ocidentais e a Rússia em relação à Ucrânia ainda continua e impulsiona os ganhos de ativos de menor risco, uma vez que há o temor, por parte dos investidores, de que a crise política se alastre.

"A questão da Ucrânia é ainda uma preocupação entre os comerciantes e investidores, e hoje esteve na linha de frente do mercado de ouro", afirmou o analista sênior da Kitco Metals, Jim Wyckoff.

O crescimento mundial também está no radar dos investidores de ouro. No final de semana, uma série de indicadores ruins fizeram com que aumentasse o temor com uma desaceleração do crescimento na China. Nos Estados Unidos, os bons dados recentes ainda não foram capazes de contrabalançar o medo dos investidores com relação ao futuro da economia norte-americana.

"A piora da crise na Ucrânia se soma a crescente preocupação com as economias da China e dos Estados Unidos e dão suporte ao preço do ouro. Há também uma pressão subjacente para que o governo indiano relaxe algumas das restrições ao comércio de metais preciosos, devido a aproximação das eleições gerais", afirmou o analista técnido da Forex.com, Fawad Razaqzada.

Em 2012, o governo da Índia aumentou a tarifa de importação para reduzir o déficit em conta corrente. O país era o maior comprador do metal precioso, que alimenta a indústria de joias local. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Tudo o que sabemos sobre:
ouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.