Ouro fecha em leve alta e avança 1% na semana

Os contratos futuros de ouro negociados na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), fecharam em leve alta nesta sexta-feira, impulsionados pela desvalorização do dólar, pelo enfraquecimento do mercado de ações e por dados apontando maior inflação, o que aumentou o apetite dos investidores pela segurança do metal precioso.

Agencia Estado

15 de março de 2013 | 16h04

O contrato de ouro mais negociado, com entrega para abril, ganhou US$ 1,90 (0,11%), fechando a US$ 1.592,60 a onça-troy. Na semana, o ouro avançou 1%, em dias de baixo volume de negociação.

O índice de preços ao consumidor (CPI) subiu 0,7% em fevereiro, ante expectativas de alta de 0,6%. O núcleo do CPI avançou 0,2%, em linha com as projeções. O dado impulsionou os preços do ouro, que são sensíveis a alterações na inflação, uma vez que o metal precioso é considerado uma proteção contra riscos inflacionários. "Os dados de inflação desta manhã motivaram algumas compras", disse Matt Zeman, da Kingsview Financial.

Os preços do ouro também ganharam força do mercado de ações, que opera em baixa, indicando a tendência de saída dos investidores de ativos de maior risco para buscar segurança no metal precioso.

O dólar recuou diante das principais moedas na manhã desta sexta-feira acompanhando a direção das bolsas de Nova York. Entre diversos indicadores divulgados nesta sexta-feira pesou principalmente a queda no índice que mede o sentimento do consumidor norte-americano, que recuou para 71,8 na leitura preliminar de março, de 77,6 na leitura final de fevereiro, ficando bem abaixo das expectativas de leitura de 78,0.

Mesmo com o ganho modesto na semana, os preços do ouro continuam sem alcançar o observado nível de US$ 1.600,00. "Precisamos ter um fechamento acima desse importante nível psicológico para vermos uma excitação novamente", disse Zeman.

Os investidores agora se focam na reunião de política monetária do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Federal Reserve, que começa na terça-feira. A preocupação é de que a recente melhora em dados do mercado de trabalho dos EUA possa motivar o banco central a apertar sua política monetária, removendo um dos principais suportes ao ouro dos últimos anos. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
mercadoourofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.