Ouro fecha em queda de 2,68%, mas ganha 1,82% na semana

Os contratos de ouro para dezembro negociados na Comex, a divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), sofreram com um movimento de realização de lucros e fecharam em queda de 2,68%, a US$ 1.332,50 a onça-troy. Mesmo assim, na semana o metal acumulou ganhos de 1,82%, após a forte alta de quinta-feira, 19.

Agencia Estado

20 de setembro de 2013 | 16h29

Nesta sexta-feira, 20, o presidente do Federal Reserve de St. Louis, James Bullard, disse à Bloomberg TV que uma pequena redução no programa de estímulos do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) pode acontecer em outubro. Bullard revelou que a decisão desta semana foi "difícil". Já a presidente distrital de Kansas City, Esther George, avaliou a decisão do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) como "decepcionante".

Na quinta-feira, 19, o ouro registrou forte alta de 4,71%, no maior ganho diário desde março de 2009, impulsionado pela inesperada manutenção dos estímulos de US$ 85 bilhões em compras mensais de ativos pelo Fed. "Tudo o que o rali de ontem fez foi confirmar que esse mercado é dependente do dinheiro fácil do Fed", diz o trader de metais preciosos da Integrated Brokerage Services, Frank McGhee.

A Índia, maior compradora de ouro do mundo, prejudicou o humor dos investidores hoje com uma surpreendente alta nos juros. As importações de ouro no país têm caído nos últimos meses, em meio a uma campanha do governo, que tenta assim melhorar o resultado em conta corrente.

A prata também teve uma forte queda nesta sexta-feira, com o contrato para dezembro registrando retração de US$ 1,365 (5,86%), para US$ 21,927 a onça-troy. Ontem o metal havia registrado ganho de 8,01%, na maior alta diária em quase cinco anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
ourofechamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.